The Black Keys fala sobre volta à ativa com ‘Let’s Rock’, o nono álbum do duo Dan Auerbach e Patrick Carney

Por Pat King - Metro Internacional

Dan Auerbach e Patrick Carney são como seus amigos que tiram longas férias relaxantes apenas para se manterem conectados ao seu trabalho enquanto descansam à beira da piscina. Embora sua banda de rock, The Black Keys, tenha estado em uma “pausa” nos cinco anos anteriores ao lançamento de “Let’s Rock” este ano, os dois músicos inquietos e aventureiros mal conseguiram relaxar.

“Pat disse que ele e eu juntos produzimos algo como 60 álbuns nos últimos 5 ou 6 anos”, diz Dan, vocalista e guitarrista da banda, com um sorriso. “Eu não percebi até que ele me disse. Não é como se não estivéssemos fazendo nada naquele momento, mas definitivamente precisávamos de uma pausa.” Embora nos últimos anos os fãs não tiveram a oportunidade de ter um novo The Black Keys para tocar os alto-falantes de seus carros, Auerbach e Carney sempre estiveram presentes em diversos projetos de outros artistas, como Cage The Elephant e Michelle Branch, além de vários projetos de gravação e composição.

Veja também:
Atores de ‘Velozes e Furiosos’ homenageiam Paul Walker
De Curitiba para NY: Chef Manu Buffara se prepara para abrir restaurante nos Estados Unidos

Com seu último álbum, “Turn Blue”, a banda alcançou um tipo de boom que os fãs do trabalho anterior nunca poderiam imaginar, quando viam a dupla de Akron, Ohio, tocando riffs de blues em sua garagem. De fato, foi uma continuação lógica da direção em que a banda seguiu quando começaram a trabalhar com o produtor Danger Mouse para o álbum “Attack and Release”, em 2008. Desde então, eles deixaram de ser a pequena banda que meninos indies gostavam para serem uma das forças mais dinâmicas da música popular, fundindo instantaneamente o garage rock com base em blues reconhecíveis enquanto injetavam uma dose saudável de psicodelia. Além disso, The Black Keys é uma das bandas que defendem o rock impulsionado pela guitarra em um momento em que grupos com idéias afins são poucos e distantes entre si.

Tudo simples

Mas o tempo livre não foi algo que ofuscou o impulso criativo da banda. Como Auerbach explica, o único obstáculo ao “Let’s Rock” era entrar em uma sala com Carney para fazê-lo. Com essa medida, você quase pode ler no título como os dois membros se posicionam e mandam ver: “Let’s Rock” (“Vamos Arrasar”, em tradução livre).

“Foi bem simples. Pat e eu nos reunimos e começamos a gravar. Nós realmente não falamos sobre isso. Nós apenas temos que trabalhar. Parecia que quanto menos conversávamos sobre isso, melhor ”, diz Auerbach.

O álbum encontra a distância média entre as guitarras heroicas encharcadas de ácido em “Turn Blue” com potência direta e a melodia de álbuns como “Brothers” e “El Camino”. Auerbach e Carney mostram o que realmente significa The Black Keys. “O ponto é que você não pode apenas gravar um disco”, diz Auerbach. “Temos que gravar e dedicar pelo menos dois anos de nossas vidas a turnês e promoções. Paramos de sair em turnê porque não é saudável. Tivemos que nos comprometer com a ideia de sair. É onde estamos hoje. ”

Homenagem?

Como músicas como “Lonely Boy” e “Gold On The Ceiling”, do álbum de 2011, “The Way”, pareciam dominar o mundo, a banda se tornou uma força de sucesso e sua marca não deve ser minimizada, sendo uma das influências mais importantes na música popular. Enquanto ouve sua própria música no rádio ou é usado em várias lojas, Auerbach mostra desânimo com os imitadores baratos que surgiram após seu sucesso. “Há muito disso porque as estações de televisão, canais ou corporações, eles não querem pagar para usar nossas músicas, então pagam alguém para fazer isso. Havia um cara que era muito estúpido. Ele tinha um cassino ou algo assim. E se gabou no Facebook [e disse]: ‘Veja, eu fiz esses caras tocarem uma música do Black Keys para o meu novo comercial. O que você acha? ‘Tiramos uma captura de tela e a enviamos a um advogado e o processamos. Que idiota!” Mas, como diz o ditado, a imitação é a melhor forma de homenagem. Então, pelo menos há um lado positivo nisso tudo? “O que eu gosto é que soa tão ruim que me faz sentir bem”, diz Auerbach.

É sempre recomendável uma banda manter sua base de fãs enquanto corre riscos contínuos a cada lançamento do álbum. Auerbach entende isso e agradece que eles estão abertos à necessidade do duo de expandir seu som. “Estamos sempre procurando um novo som. Nunca queremos fazer o que fizemos antes. Acho que se tivéssemos feito o mesmo disco repetidas vezes, provavelmente teríamos largado tudo há muito tempo”, diz Auerbach. “Espero que você aprecie e aproveite as voltas e mais voltas. Por fim, não estou pensando em nada além de música”, finaliza.

The Black Keys ‘Let’s Rock’ - The Black Keys já está disponível nas plataformas de streaming / Divulgação
Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo