David Michôd e Joel Edgerton reconstroem Shakespeare em 'O Rei'

Por Pat King - Metro Internacional

Pode ser uma tarefa difícil para qualquer cineasta adaptar as palavras de Shakespeare à tela, mas o diretor australiano David Michôd e seu parceiro de roteiro, o ator Joel Edgerton, entenderam como através do novo épico de guerra "O Rei". Estrelado por Edgerton e Timothée Chalamet como o jovem rei, inspirada na famosa peça "Henrique V", do poeta imortal, a produção já está disponível na Netflix.

"Quando Joel e eu começamos a conversar sobre isso foi, obviamente, através do prisma de Shakespeare", diz Michôd. "Porque, você sabe, o maior escritor da história da língua inglesa entrou naquele território com tanta firmeza que é quase impossível hoje em dia pensar em Henrique V sem pensar no 'Henrique V' de Shakespeare", complementa.

Leia mais:
Harry Styles divulga capa e título do novo álbum
Disney libera música de ‘Frozen 2’ na interpretação do Panic! At The Disco

A trama de um idealista que finalmente tem a chance de chegar ao poder é contada muitas vezes ao longo da história com crédito devido à resistência das palavras de Shakespeare.

"Começamos a conversar sobre isso e percebemos que a versão cinematográfica do que queríamos teria que ser diferente, porque as obras são coisas extraordinárias para ler, mas são escritas para serem interpretadas em um teatro elisabetano, a menos que sejam tratadas de maneira muito formal, e acho que não é o tipo de cinema que eu gostaria", explica.

No passado, cineastas e companhias de teatro apresentaram essa história e os conflitos entre britânicos e franceses durante esse período de uma maneira mais pomposa e heroica. Essa glorificação da guerra era algo que Edgerton e Michôd queriam evitar.

"A peça 'Henrique V' foi escrita em uma era muito diferente. Foi apresentada no passado, muitas vezes, como uma história heroica do grande triunfo inglês. Achamos realmente inapropriado fazer essa versão hoje", diz Michôd. "Então, em vez disso, estávamos muito interessados na ideia de gerar uma interpretação diferente de 'Henrique V', mais sobre como um jovem idealista poderia ser consumido pelas instituições".

O jovem que encontraram para interpretar esse personagem é Chalamet, que oferece uma performance profunda, que encapsula a transição do jovem rei da inocência para a intoxicação do poder. "Adorei a ideia de pegar aquele cara de 'Me Chame Pelo Seu Nome' e jogá-lo no chão no início deste filme. De repente, você volta o relógio 600 anos e aí está", ri Michôd.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo