Em trama com inspirações reais, 'Papicha' mostra resistência ao radicalismo

Por Metro Jornal com Estadão Conteúdo

"Papicha", que estreia nesta quinta-feira (31), parece simples. A protagonista é uma garota chamada Nedjma, que produz vestidos que vende em banheiros de baladas. Ela estuda, tem um grupo de colegas.

Leia mais:
Com retorno de Linda Hamilton, novo ‘Exterminador do Futuro’ traz força feminina
Darín estrela ‘A Odisseia dos Tontos’

E tudo se passa em Argel, capital da Argélia, nos anos 1990, quando a islamização alastra-se pelo país e a moda, mais que supérflua, é considerada ofensiva ao status da mulher na sociedade religiosa. Radicais islâmicas invadem as salas de aula para advertir (ou ameaçar).

O momento é delicado, mas sob certo controle da protagonista, até que um tiro altera sua vida. Tudo muda: o tom, o ritmo, a ambição. Nedjma resolve desafiar as radicais, e passa a ser perseguida.

O filme da diretora Mounia Meddour baseia-se livremente numa história real. É, em parte autobiográfico, como conta a cineasta. "Cursei a faculdade num campus como o mostrado no filme e, ao final do primeiro ano, quando tinha 17 anos, minha família precisou deixar a Argélia, pois intelectuais e artistas estavam sendo ameaçados. Meu pai era cineasta", lembra.

"Papicha" estreia depois de integrar a Mostra Internacional de SP. Em maio, participou do Festival de Cannes, integrando a seção Un Certain Regard, a mesma em que "A Vida Invisível" foi o melhor filme.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo