Veja os destaques da nova exposição de mangás na Japan House

Por Metro Jornal

São tantas expressões artísticas marcantes no Japão e o mangá tem seu devido espaço cultuado não só por lá, mas em muitos países, e o Brasil é um deles. E o trabalho de um dos principais mangakás ganha destaque a partir desta terça-feira (29) em São Paulo, na exposição “Isto é Mangá – A Arte de Naoki Urasawa”, na Japan House.

Leia mais:
Com peças e livros, coletivo debate cena negra contemporânea
Guitarrista do Bad Religion fala ao Metro Jornal sobre a turnê do novo álbum

A mostra será uma verdadeira experiência de imersão na arte de Urasawa, em suas distintas temáticas, como mistério, ficção científica e esporte. São sete coleções em português, incluindo obras não publicadas no Brasil e também cerca de 600 ilustrações, esboços e storyboards.

naoki urasawa Naoki Urasawa e uma de suas obras originais / Jeremie Souteyrat/Divulgação

E, ao invés de trazer apenas recortes da obra original, a exposição apresenta capítulos inteiros, possibilitando a vivência completa desta arte. Um dos destaques fica com “Yawara!”, que contará com apresentações semanais de novos capítulos hoje, 18 de novembro, 2 e 16 de dezembro.

Palestras

Paralelo à exposição, a Japan House realiza um ciclo de palestras, em parceria com a Editora JBC, com o tema ‘O Mangá no Brasil’, em novembro, nos dias 7, 12 e 27, às 19h, e dia 9, às 15h. Participam dos painéis profissionais do mercado editorial e digital de mangás e HQs, além de ilustradores e quadrinistas.

exposição de mangá japan house Espaço tem cerca de 600 itens / Estevam Romera/Divulgação

A entrada é gratuita, com retirada de ingresso uma hora antes.

As coleções que estão na exposição

“Yawara!” (1985 – 1993)
A obra mostra o desafio e o crescimento de uma garota com talento em judô e o seu caminho até chegar na Olimpíada de Barcelona.

“Master Keaton ReMaster” (1988 – 1994)
Retrata a história de um investigador de seguros do governo que, apesar de bem-sucedido profissionalmente, mantém o sonho de continuar uma pesquisa arqueológica.

“Pluto” (2003 – 2008)
Baseada em uma história de “Astro Boy”, de Osamu Tezuka, ela retrata a estupidez do ódio sem fim e o questionamento quanto à existência de sentimentos em robôs.

Mujirushi” (2018)
Nesta narrativa, um homem e sua filha conhecem um rapaz misterioso que tem mais do que alguns segredos para contar sobre a França e o Museu do Louvre.

“20th Century Boys” (1999 – 2006)
Em um cenário onde o mundo sofre ataques terroristas, o personagem principal vive uma vida comum. Porém, a partir de um acontecimento, ele percebe que as profecias feitas por um amigo quando era criança estão se tornando realidade.

“Monster” (1994 – 2001)
Kenzo Tenma é um habilidoso cirurgião japonês que vive na Alemanha. Ele descobre que Johan, um de seus ex-pacientes, se torna um serial killer. Abalado pelo sentimento de culpa, ele passa a persegui-lo.

“Billy Bat” (2008 – 2016)
O cartunista nipô-americano Kevin Yamagata descobre que no Japão existe a mesma trama contada em sua obra “Billy Bat”. Nesta história de ficção científica, o personagem principal se envolve em diversos acontecimentos ligados ao desenho do “The Bat”.

Serviço

Na Japan House (av. Paulista, 52, Bela Vista; tel.: 3090-8900). Abre nesta terça-feira (29). De ter. a sáb., das 10h às 20h; dom. e feriados, das 10h às 18h; grátis. Até 5/1/2020.

Loading...
Revisa el siguiente artículo