Em tom de protesto, Elza Soares apresenta novo disco no Balaclava Fest

Por Paulo Borgia - Metro São Paulo

Incansável, cheia de vontade para cantar um desgastante Brasil que tanto ama. Elza Soares gostaria de fazer declarações mais felizes a seu país, mas para ela, o momento é de protestar e esse é o tom de seu mais novo trabalho, “Planeta Fome”, recém-lançado, e que será apresentado no domingo (13), dentro do Balaclava Fest.

Leia mais:
Bruna Linzmeyer termina namoro de três anos com artista plástica
Rock in Rio registra público de 700 mil pessoas

Após dois discos de muito sucesso ao lado do produtor Guilherme Kastrup, Elza escolheu dessa vez Rafael Ramos para ajudá-la a embalar as 12 faixas de seu novo trabalho. Musicalmente, as faixas são menos rock e mais amplificadas em ritmos.

Nas letras, a revolta por um lugar melhor para se viver. “Fico triste por ainda ter que cantar sobre isso… Esse país tão maravilhoso e acolhedor, um país de amor. E vejo todos calados, aceitando tudo de ruim de boca aberta. Aonde vamos para com isso? Mas também fico contente por Deus ter me dado essa voz e o direito de poder falar alguma coisa, ainda”, conta a cantora.

Imediatamente ela relembra “Comportamento Geral”, lançada por Gonzaguinha em 1973 e que aqui ganha uma versão reggae. “Vivemos a mesma coisa daquela época. Talvez pior, porque o povo está calado. Naquela época estávamos na rua”, enfatiza, cantando os versos clássicos: “Você merece/você merece/Tudo vai bem, tudo legal”.

Meu sonho é cantar um país com saúde e não um país doente. Um lugar com educação, que forme cidadãos. Isso, mas sem sonho. Quero cantar a real”, diz.

O disco ainda conta com outra música de Gonzaguinha, “Pequena Memória Para Um Tempo Sem Memória”, “Brasis”, de Seu Jorge, e algumas participações, como BNegão, em “Blá Blá Blá”.

O show de “Planeta Fome” foi lançado no Rock in Rio na última semana e a apresentação do próximo domingo deve ser baseado no novo projeto, mas com destaque também para “A Mulher do Fim do Mundo” (2015) e “Deus É Mulher” (2018).

Festival terá Shame, Kelela, Boogarins, entre outros

Além de Elza Soares, que será headliner, o line-up da décima edição do evento ainda tem o grupo experimental Battles, o folk de Ryley Walker, o pós-punk do Shame, Papa M – projeto de David Pajo, do Slint –, e Kelela, cantora de R&B com influências da música eletrônica.

A lista conta também com brasileiros, como os psicodélicos Boogarins, e Ayie, novo projeto da baterista Larissa Conforto.

A programação será dinâmica, como nos anos anteriores, dividida em dois palcos.

Serviço

Na Audio (av. Francisco Matarazzo, 694, Água Branca). Domingo (13), a partir das 16h; De R$ 95 a R$ 290, no site da Ticket 360.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo