Robert De Niro é processado por comportamento abusivo no trabalho

Por Metro Jornal

Graham Chase Robinson, a ex-vice-presidente da Canal Productions, empresa de Robert De Niro, processou o ator por comportamento abusivo no ambiente de trabalho. De acordo com o Hollywood Reporter, a ação da executiva contra o artista envolve US$ 12 milhões.

Leia mais:
James Franco é acusado de exploração sexual por alunas de escola de atuação
Filme solo do Coringa ganha exposição em shopping de São Paulo

A denúncia explicita que conduta de De Niro é relacionada à mentalidade sexista dele. É colocado que "ele não aceita a ideia de que os homens devam tratar as mulheres como iguais".

Dentre as atitudes inapropriadas do ator estariam pedir a Robinson para coçar as suas costas, desabotoar sua camisa, ajustar seu colarinho, dar nós em sua gravata e acordá-lo quando ele está dormindo.

Além disso, ele também teria feito comentários de caráter sexual contra ela, como falar sobre a sua prescrição de Viagra, e se omitido quando ela levou um tapa na bunda de outro funcionário.

Em resposta às acusações de Robinson, o advogado de De Niro, diz que "as alegações vão além do absurdo". A executiva trabalhou para o intérprete do jovem Don Corleone no período de 2008 até abril deste ano.

Em agosto, um outro processo veio do lado contrário; o ator moveu uma ação de US$ 6 milhões contra a ex-funcionária por ela sob a acusação de desvio de dinheiro e assistir à Netflix no horário de trabalho.

(none)
Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo