The Guardian ironiza Olavo de Carvalho após comentários sobre os Beatles

Por Angela Corrêa - Metro Jornal

Olavo de Carvalho foi tema de uma reportagem bastante irônica do The Guardian na última quarta-feira (11). O jornal britânico publicou um dossiê em que refutava, de maneira sarcástica, a análise em que Carvalho afirmou que as letras dos Beatles foram escritas, na verdade, pelo sociólogo e filósofo alemão Theodor Adorno (1903-1969).

O artigo, publicado na seção de Cultura, é irônico desde o título: "A little help from my neo-Marxist philosopher: was Adorno the fifth Beatle?" (uma ajudinha do meu filósofo neo-marxista: Adorno foi o quinto Beatle?, uma brincadeira com a música "With a Little Help From My Friends", cantada por Ringo Starr e single do álbum "Sgt Peppers").

"Espera um pouco! Então os Beatles consistiam em John, Paul, George, Ringo e Teddy? Sim. Ao menos é o que acredita o guru político do presidente brasileiro Jair Bolsonaro", diz o início do artigo. "Quem é o guru político de Bolsonaro? O filósofo autodidata Olavo Carvalho, praga dos esquerdistas como Adorno e autor de 'O Imbecil Coletivo' e 'O Mínimo que Você Precisa Saber para Não Ser um Idiota"", continua.

Adorno O filósofo e sociólogo Theodor Adorno / Getty Images

Mas de onde Carvalho tirou essa ideia? O filósofo disse que de um artigo que lera tempos antes, em holandês.  O Guardian explicou, no entanto, que tudo começou em um meme que brincava que o alemão era autor de clássicos como  "Yesterday", "I Wanna Hold Your Hand" e assim por diante. A piada dizia ainda que o espólio de Adorno também foi responsável por vender os direitos das músicas dos Fab Four para Michael Jackson. O Rei do Pop de fato comprou o songbook do quarteto em 1985 em um leilão.

O artigo do The Guardian continua ácido ao falar sobre a possibilidade de o fundador da Escola de Frankfurt, que morreu nove anos após o nascimento da banda britânica, ser de fato o gênio da música responsável pelo sucesso dos reis do iê-iê-iê. "Mas é claro que ele é. Imagine a cena. É 1963 e Lennon e McCartney estão se matando para escrever 'She Loves You'. 'She loves you', diz Lennon. "O que vem a seguir?" "Yeah, yeah, yeah", contribui Adorno. "Brilhante, Teddy, apenas brilhante", diz McCartney. O resto é história", diz o texto.

O vídeo

O vídeo, que não tem data, viralizou no último fim de semana. Olavo de Carvalho disse que leu, em holandês, um artigo sobre Paul McCartney, John Lennon (1940-1980), George Harrison (1943-2001) e Ringo Starr que ele ainda iria investigar, mas que "parecia verdadeiro pelo contexto".

“Os Beatles eram semianalfabetos em música. Mal sabiam tocar violão. Quem compôs as canções deles foi Theodor Adorno. Agora você sabe o efeito devastador da música dos Beatles? É tudo celebração do LSD, das drogas…”, disse o astrólogo.

Sarcasmo explicado

Mais adiante, o texto do The Guardian, que foi dividido em tópicos, explica o tom irônico. "Na verdade, Adorno desprezava os Beatles e tudo que eles representavam. Ele disse na revista Akzente em 1965 :'O que pode ser dito contra os Beatles é que simplesmente que o que essas pessoas têm a oferecer é algo estúpido em termos de seu próprio conteúdo. Pode-se ver que os meios de expressão que são empregados e preservados aqui são, na realidade, nada mais do que técnicas tradicionais de forma limitada"", contou.

 

 

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo