Atentado ao Hotel Taj Mahal: Longa relembra violento ataque a hotel de Mumbai

Por Metro Jornal

O diretor australiano Anthony Maras escolheu um tema espinhoso para embalar seu longa de estreia.

Leia mais:
‘Estou Me Guardando para Quando o Carnaval Chegar’: Documentário expõe crueza do capitalismo

“Atentado ao Hotel Taj Mahal”, que chega hoje aos cinemas, busca reconstruir parte dos momentos de tensão ocorridos durante um atentado terrorista em Mumbai, na Índia, em 26 de novembro de 2008, que resultou em mais de 160 mortos.

Inspirado no documentário “Surviving Mumbai”, indicado ao Emmy, o filme parte do ponto de vista dos hóspedes e funcionários do Hotel Taj Mahal Palace & Tower, um dos dois hotéis de luxo que foram alvo dos terroristas.

Essa estratégia faz com que o filme apresente a ação a partir de perspectivas muito distintas, que vão desde a ação da polícia tentando acessar as câmeras de segurança do hotel a familiares dos funcionários que acompanham o que acontece por lá pelo noticiário.

A trama se concentra, no entanto, em personagens como Oberoi (Anupam Kher), o gerente do hotel, para quem o “hóspede é Deus”, e Arjun (Dev Patel), garçom com a missão de proteger os estrangeiros endinheirados que estão abrigados ali. É gente como o casal David (Armie Hammer) e Zahra (Nazanin Boniadi), de férias com seu bebê recém-nascido, e o mulherengo Vasili (Jason Isaacs).

Maras capricha na tensão provocada pelo cerco dos terroristas ao hotel e capricha em violência gráfica para retratar o terror vivido ali.

Ao se valer dessa abordagem para falar de um caso doloroso e ocorrido há apenas dez anos, o diretor incomodou muitos críticos que, a despeito de elogiarem a condução da trama, questionam a pertinência de se cutucar feridas ainda não muito bem cicatrizadas.    


Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo