Entenda as referências em 'God Control', manifesto de Madonna pelo controle do porte de armas

Por Metro Jornal

Na quarta-feira (26), Madonna lançou o clipe mais político de seu álbum de retorno, Madame X. "God Control" é um apelo pela restrição do porte de armas nos Estados Unidos, e faz referências a diversos incidentes da história recente do país com armamentos de fogo.

O vídeo, com mais de oito minutos de duração, desenvolve um enredo que alterna entre cenas de uma festa em uma boate no estilo anos 70 com gravações em igrejas, trechos de manifestações pelo controle das armas, e a imagem da própria Madonna em um quarto, digitando os versos da música em uma máquina de escrever.

Confira abaixo alguns temas recorrentes no novo lançamento da rainha do pop, e como eles evocam o debate sobre armas nos Estados Unidos.

"We need to wake up"

Madonna, em "God Control", faz um pedido à seus ouvintes, à sociedade norte-americana e aos governantes: "precisamos acordar". O mote se repete em diversas cenas do clipe, sendo escrito pela própria cantora, estampado em discos de vinil, e mesmo no letreiro na entrada da festa, na qual boa parte do clipe se desenvolve.

Com a frase, a cantora pede que as atenções se voltem para a necessidade de exercer maior controle sobre o acesso a armas. "Esta é sua chamada para despertar. Violência armada afeta desproporcionalmente crianças, adolescentes e os marginalizados em nossas comunidades. Honre as vítimas e exija controle de armas. Agora", clama a descrição do vídeo publicado no canal oficial de Madonna no YouTube.

Tiroteio na boate

As imagens mais chocantes do clipe, sobre as quais Madonna alerta no início, encenam um ataque armado à boate na qual a cantora se diverte com amigos. Corpos caídos no chão feridos pelos disparos, dentre os quais o da própria artista, são algumas das primeiras cenas.

Trata-se de uma alusão a um massacre real, ocorrido em junho 2016 no país. O atirador Omar Mateen invadiu a boate LGBT "Pulse" e abriu fogo, matando 50 pessoas e ferindo outras 53. O atentado foi caracterizado como um dos maiores tiroteios em massa na história dos EUA, e um dos piores ataques à comunidade LGBT.

Uma sobrevivente do episódio, Patience Carter, chegou a criticar o clipe em fala ao site TMZ. "Como uma sobrevivente de violência armada, foi muito difícil assistir. Eu entendo que ela estava tentando conscientizar sobre o controle das armas, mas não acho que tenha sido a melhor maneira de falar sobre isso, porque para alguém como eu, que realmente viu e viveu essas imagens, vê-las novamente é traumatizante", expressou.

O coral infantil

O refrão da nova canção de Madonna é entoado pelo coro Tiffin Children's Choir. Ele é composto de um único verso repetido múltiplas vezes: "We lost God control" – que pode ser traduzido para "perdemos o controle divino". "God control" brinca com a frase de sonoridade similar e que resume o debate sobre a restrição do acesso, porte e posse de armas nos EUA: "gun control".

No clipe, as crianças cantam dentro de uma igreja, com robes longos, até angelicais. Em uma imagem posterior, as mesmas crianças aparecem na televisão à qual Madonna assiste, ilustrando uma notícia sobre um atentado armado a uma escola no estado do Arizona.

madonna god control Uma criança chora enquanto canta o refrão de "God Control". Na chamada, lê-se "24 mortos em tiroteio em escola no Arizona" / Reprodução/YouTube

Tiroteios em escolas, vitimando principalmente crianças e adolescentes, são um dos principais combustíveis da discussão sobre armamento no país. Um dos maiores casos recentes foi na cidade de Parkland, na Flórida, que deixou 17 mortos. Sobreviventes ao ataque posteriormente ganharam destaque na mídia, cobrando dos governantes norte-americanos uma política mais rígida sobre acesso a armas.

"A new democracy"

As críticas mais ferrenhas de Madonna no videoclipe e letra de "God Control" são direcionadas ao governo e políticos dos Estados Unidos. "Quando eles falam sobre reformas, me fazem rir", canta. "Eles fingem ajudar, me fazem rir".

Na primeira estrofe da canção, a artista chega a culpar indiretamente as autoridades pelos episódios de violência armada, colocando-os como "vitória". "Todo dia eles tem um tipo de vitória", narra. "Sangue de inocentes espalhado por todo lugar".

Uma frase recorrente na segunda metade do clipe é "a new democracy", ou uma nova democracia. Nela, Madonna coloca o controle sobre armas de fogo como vontade popular, e pede que, por preceitos democráticos, ela seja ouvida.

madonna god control Reprodução/YouTube

Outra entidade criticada indiretamente pela pop star é a Associação Nacional de Rifles (NRA), organização alinhada à indústria armamentista que luta pela manutenção do direito do cidadão americano às armas. Em cartazes diversos exibidos no videoclipe, manifestantes criticam ações da NRA.

Homenagens

Se sobrou críticas da estrela a alguns, para outras, só tributo. Madonna insere sutis homenagens à mulheres ativistas em seu clipe, como a pintora mexicana Frida Kahlo e a filósofa norte-americana Angela Davis.

O clipe também é encerrado com uma frase da última, que diz: "Eu não aceitarei mais as coisas que não posso mudar. Eu mudarei as coisas que não posso aceitar".

Deixamos passar algo? Confira abaixo, no vídeo completo de "God Control


Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo