Gamer perde contrato com marca após acusação de 'preconceito contra homens'

Por Metro Jornal

A streamer de jogos Gabi Cattuzzo foi alvo de ataques e reclamações da comunidade gamer no Twitter, YouTube e outras redes sociais.

Após ter tuítes e trechos de suas transmissões ao vivo repercutidos e criticados, o repúdio à influencer culminou em nota da marca de equipamentos para jogos, Razer, anunciando o fim de seu contrato de divulgação com Gabi.

Entenda o caso


Gabi Cattuzzo é uma influenciadora digital, que cresceu dentro da comunidade de jogos online através de transmissões ao vivo de suas sessões de jogo. Ela também mantinha parceria com a marca Razer, integrando "um time de influenciadores chamados para usar e divulgar os produtos", de acordo com a empresa.

A polêmica em torno da jovem nasceu após um tuíte seu, em resposta a um comentário de teor sexual direcionado a ela. Em sua conta, Gabi havia postado uma foto montada em um touro mecânico. Um de seus seguidores, em seguida, respondeu: "pode montar em mim à vontade".

Irritada, a gamer escreveu: "Sempre vai ter um macho f*dido para falar m*rda e sexualizar mulher até quando a mulher tá fazendo uma piada, né?". Em seguida, ela solta o comentário que provocou a ira de usuários da rede social: "É por isso que homem é lixo".

Logo após a publicação, outro seguidor criticou a "generalização" da crítica de Gabi, e a resposta da garota desagradou ainda mais seu público: "Quando a gente fala esse tipo de coisa vem os caras ‘ai mas não generaliza, não é todo mundo’ e na primeira oportunidade fica sendo escroto com mina. Homem que não é merda é exceção, não maioria."

Gabriela passou a receber xingamentos e, segundo a própria, foi vítima de ameaças pessoais e à sua família. As declarações foram printadas e repostadas em diversos perfis, inclusive no de outra influenciadora da comunidade gamer, que atende pelo apelido "Ayu", e foi uma das primeiras a pedir o fim do contrato de Gabi com a Razer. No site "Petição Pública", um abaixo-assinado pede o fim da parceria entre a influencer e a marca, com 941 assinaturas às 18h03 de segunda-feira.

Na petição, Cattuzzo é chamada de "extremista e agressiva", "odiosa", e "militante de movimentos de ódio". Nos comentários, outros usuários continuam a crítica: "Fêmea escrota tem que ser exposta mesmo".

Adicionalmente ao tuíte, um trecho de uma transmissão ao vivo de 2017, feita por Gabi, também foi alvo de rechaço. No vídeo, a youtuber se enfeza e xinga espectadores de sua live.

A cena foi recuperada, espalhada novamente pelas redes, e utilizada pelos críticos da jovem para engrossar sua imagem de "preconceituosa" e "agressiva".

Fim do contrato


Após intensa demanda dos críticos pelo fim das relações da Razer com Gabi Cattuzzo, a marca se posicionou publicamente nas redes sociais no final desta tarde (24).

"A Razer Brasil reforça que a opinião dos seus influenciadores não representa ou reflete, necessariamente, a opinião da empresa, que é totalmente contrária a qualquer tipo de discriminação (…) ou qualquer tipo de intolerância e extremismo", reiterou a empresa. Ainda, foi informado que o contrato de Gabi Cattuzzo com a marca expira em alguns dias, e não será renovado.

A gamer publicou em seu Twitter um texto explicando "seu lado da história", e desculpou-se por seus comentários na rede social e também sua postura durante a transmissão ao vivo.

Ela, no entanto, lamenta a "caça às bruxas" que afirma ter sofrido. Gabriela também anunciou um afastamento temporário das redes sociais após ler ameaças direcionadas a si. Algumas destas foram printadas, e publicadas em seu perfil:

"Esta é a minha última declaração sobre o assunto, espero que tenha sido esclarecedora aos que ainda tenham alguma dúvida", escreve Gabi, ao final de seu posicionamento via ferramenta Twitlonger. "Tenham todos uma excelente semana".


Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo