Roubo de um Caravaggio inspira produção italiana

Por Metro Porto Alegre

É como se fosse um filme dentro de um filme. “O Caravaggio Roubado”, novo longa do cineasta italiano Roberto Andò (de “As Confissões” e “Viva a Liberdade”) bebe na fonte de um dos roubos mais misteriosos da história da arte: em 1969, o famoso quadro “Natividade com São Francisco e São Lourenço” (ou Nativitá), de Michelangelo Caravaggio desapareceu de uma igreja em Palermo, na Sicília. E nunca mais foi recuperado.

Leia mais:
‘Caverna do Dragão’ (finalmente) ganha conclusão em comercial de carro; assista
Aladdin: Ouça ‘Um Mundo Ideal’ na voz de Daniel Garcia, conhecido por sua drag Gloria Groove

As versões sobre o sumiço são muitas, começando pela máfia italiana até um crime passional. É nestas possibilidades que Andò embarca ao colocar em cena a jovem Valéria (Micaela Ramazzotti), secretária de uma empresa produtora de cinema que serve de ghostwriter para um cineasta meio picareta.

Enquanto ela assina os melhores roteiros para ele, entra em cena um velho policial que lhe conta uma história aparentemente incrível – e Valéria a utiliza para estruturar seu próximo filme, sem saber que, na verdade, está revelando segredos sobre o desaparecimento do quadro de Caravaggio. À medida em que a escritora investiga e busca elementos para sua história, ela enfrenta vários perigos.

“O Caravaggio Roubado”  foi um dos filmes selecionados para o Festival de Veneza do ano passado e, como todo bom representante da cinematografia italiana, combina humor, mulheres bonitas e o fabuloso legado artístico e cultural do país.

Assista ao trailer:


Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo