Sorriso Maroto lança ‘Ao Cubo, Ao Vivo, Em Cores’, projeto que retorno de Bruno Cardoso

Por Metro Rio
sorriso maroto ao cubo ao vivo em cores

No meio do caminho do Sorriso Maroto, havia uma pedra. Diagnosticado com uma miocardite, o vocalista Bruno Cardoso precisou deixar o microfone de lado por seis meses, período no qual foi substituído pelo cantor e ator Thiago Martins. Por isso, no lançamento do projeto “Ao Cubo, Ao Vivo, Em Cores”, o clima do quinteto carioca está de recomeço. “A ideia que fica de tudo é a superação de um momento difícil”, resume o tecladista Vinícius Augusto.

Passado o susto, com Bruno de volta aos palcos, o grupo quis coroar a nova fase com um trabalho de inéditas, o primeiro em três anos. “O álbum veio com esse papel de entregar ao público algo que fosse do tamanho dele”, afirma o cantor.

Leia mais:
Em ‘Luzes de Niterói’, quadrinista revive cidade natal a partir de memórias do pai
Tido como raridade, vinil ‘Paêbirú’ é reeditado

CD e DVD

Da ideia de gravar um CD novo, “Ao Cubo, ao Vivo, Em Cores” evoluiu para um projeto multimídia, que inclui também DVD. As 11 faixas, também disponíveis em streaming, foram gravadas em um cenário em formato de cubo, com painéis de luzes multicoloridas e uma plateia de 300 pessoas, em estúdio na Barra da Tijuca. “Sempre tivemos o preto muito presente nos nossos trabalhos. Estava na hora de abrir as energias, e as cores têm o poder de traduzir sentimentos”, explica o vocalista.

Sorriso Maroto Gravado ao vivo em um estúdio multicolorido, o disco conta com participação de Ferrugem / Vitor Branco/Divulgação

A produção  marca o início da trajetória dos cariocas na gravadora Sony Music, após deixarem a Som Livre. “Fomos nos empolgando no processo de criação e trouxemos ideias, sendo que a mais inusitada delas foi filmar através de um smartphone”, revela.

As composições apresentam os elementos típicos da carreira dos pagodeiros. Letras que tratam de romances em crise ou de amores desmedidos se juntam a melodias marcadas por instrumentos como cavaquinho e teclado.

Segundo o guitarrista Sérgio Jr., que assina a produção, a ideia é deixar claro que, apesar das profundas transformações na indústria da música, o pagode não perde a essência.  “Quando a gente lançou o primeiro álbum, ouvíamos que o mercado fonográfico estava em transição. Mas essa transição vem até hoje. A música vai sempre ser a mesma, o que muda é a forma de lançar”,  diz.

O projeto conta ainda com participação de amigos do quinteto. Em “Me Arrependi”, Bruno Cardoso e Ferrugem repetem a parceria que produziu o hit “É Natural”. Já em “50 vezes”, ele compartilha os vocais com Dilsinho.   

Os dois participaram do projeto “Todos Cantam Sorriso”, em que subiram ao palco com o grupo, ao lado de Thiago Martins, em alguns shows  enquanto Bruno estava ausente.


Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo