Cirque du Soleil: Inspirada no Brasil, Deborah Colker assina direção de ‘Ovo’, que chega enfim a SP

Por Alex Ferreira - Metro Belo Horizonte

Imaginação, um dos elementos principais dos espetáculos apresentados pela trupe canadense Cirque du Soleil, serve mais uma vez de ingrediente para “Ovo”, nova montagem do grupo que encerra sua temporada nacional a partir desta quinta (18) no Ginásio do Ibirapuera.

Com inspiração nas cores e na cultura brasileira, a apresentação tem criação e direção da renomada coreógrafa Deborah Colker, primeira mulher a dirigir um show da companhia.

Leia mais:
Netflix prevê menor crescimento com ameaça de competição de Apple e Disney
‘Game of Thrones’ prepara o tabuleiro em episódio sobre família e reencontros

Criado há dez anos, o espetáculo é repleto de cores e conta com trilha sonora composta e interpretada por músicos nacionais, sendo embalado por ritmos típicos do Brasil, como o forró, samba, bossa nova, xaxado e o funk.

“Eu amo trabalhar em larga escala e criar um grande impacto com toneladas de energia e emoção no palco”, confessa Deborah. “É maravilhoso poder trazer para cá um espetáculo que pertence a todos nós, que pertence ao Brasil”.

Embora mais tropical que as demais montagens do Cirque du Soleil, “Ovo” traz todas as marcas que fizeram da companhia um dos expoentes da moderna arte circense: um time de artistas do alto escalão, música envolvente, figurinos exuberantes e cenários sofisticados.

Loucura circense pop

A trama apresenta um universo habitado por insetos e sua biodiversidade. A comunidade dos bichos vive em harmonia até que um ovo surge misteriosamente no seu meio. Trazido por outro inseto, o objeto – que faz referência ao monolito do filme “2001: Uma Odisseia no Espaço”, de Stanley Kubrick – representa o ciclo de suas vidas, desperta a curiosidade e o encantamento dos coloridos personagens.

“A gente não teve de se esforçar para fazer um espetáculo alegre, de personagens fortes e ligados à natureza, porque já temos essas características”, revela Deborah. “Ovo apresenta o mundo dos insetos com ênfase no movimento constante e nas cores. Eu tenho uma linguagem coreográfica muito física e, para mim, os movimentos dos insetos se traduzem em emoção”, completa.

A montagem já passou por países como a França, Estados Unidos, Japão, Rússia e Canadá. Segundo a produção, mais de 5 milhões de pessoas já viram “Ovo”.

Para comprar ingressos, acesse o site da Tudus.


Serviço
No Ginásio do Ibirapuera (r. Manuel da Nóbrega, 1.267, Paraíso). Estreia amanhã. Ter., às 21h; de qua. a sex., às 17h* e 21h; sáb., às 13h*, 17h e 21h; dom., às 14h*, 16h, 18h* e 20h (*checar disponibilidade). De R$ 260 a R$ 580. Até 12/5.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo