Kim Kardashian está estudando para ser advogada

Estrela de reality show começou a treinar para ser uma advogada e espera passar no exame da Ordem em 2022

Por BANG Showbiz

Kim Kardashian West está estudando para ser advogada.

A estrela, de 38 anos – que brevemente estudou no Pierce College, em Los Angeles, mas não se formou – começou um aprendizado de quatro anos com um escritório de advocacia de São Francisco no verão passado e espera fazer seus exames da Ordem em 2022.

Leia mais:
Oprah Winfrey sai em defesa da duquesa Meghan: ‘Um amor de pessoa’
‘Detetive Pikachu’ ganha vídeo com pokémons ensaiando para o filme; assista

Kim fará um exame administrado pelo estado da Califórnia neste verão e, se ela passar, poderá continuar seus próximos três anos de estudo e ela está confiante sobre suas chances.

Ela disse à revista americana 'Vogue': "Primeiro ano de faculdade de direito, você tem que cobrir três assuntos: direito penal, delitos e contratos. Para mim, delitos é o mais confuso, contratos é o mais chato e direito penal eu posso fazer enquanto durmo. Fiz meu primeiro teste, tirei 100. Super fácil para mim. A leitura é o que realmente me pega. É tão demorado. Os conceitos eu entendo em dois segundos".

A estrela de 'Keeping Up With the Kardashians' – que tem os filhos North, 5, Saint, 3, e Chicago, de 14 meses de idade, com o marido Kanye West – admitiu que teve que "pensar muito e duramente" em assumir sua nova carreira e finalmente tomou sua decisão depois que ela recebeu um "resultado realmente bom" quando solicitou ao presidente Donald Trump que revogasse a sentença de prisão perpétua de Alice Marie Johnson por uma infração não-violenta de drogas, o que levou à aprovação do First Step Act.

"Eu nunca em um milhão de anos pensei que chegaríamos ao ponto de aprovar leis. Isso foi realmente um momento decisivo para mim".

No entanto, Kim admitiu que ela se sentia profundamente envolvida nas discussões, então decidiu seguir seu sonho de estudar direito.

"A Casa Branca me chamou para aconselhar e ajudar a mudar o sistema de clemência. E eu estou sentada na Sala Roosevelt com, tipo, um juiz que sentenciou criminosos e muitas pessoas realmente poderosas e eu apenas sentei lá como: 'Oh m***a'. Eu preciso saber mais. Diria o que eu tinha a dizer, sobre o lado humano e por que isso é tão injusto. Mas eu tinha procuradores comigo que poderiam apoiar isso com todos os fatos do caso. Nunca é uma pessoa que faz as coisas, é sempre um coletivo de pessoas, e eu sempre soube o meu papel, mas eu senti que queria ser capaz de lutar por pessoas que pagaram suas dívidas à sociedade. Apenas senti que o sistema poderia ser tão diferente, e eu queria lutar para consertá-lo, e se soubesse mais, poderia fazer mais".

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo