Banda Francisco, El Hombre incendeia em novo disco, 'Rasgacabeza'

Por Fred Lopes
capa rasgacabeza

“Acende! Acorda! Acorda!”, clama Juliana Strassacapa nos vocais de “Chama Adrenalina: Gasolina”, faixa de abertura do novo álbum da banda Francisco, El Hombre. O trecho é o bastante para descrever o disco “Rasgacabeza” quase por inteiro: repleto de alusões ao fogo e frases no imperativo, o álbum apresenta em suas oito faixas um grito que já estava razoavelmente presente no disco antecessor, “Soltasbruxa” (2016), mas aqui ele é potencializado: é hora de sentir o calor da rua.

Leia mais:
Cinemark diz que exibição de filme pró-ditadura militar foi um erro
Por que ‘Shazam!’ é o filme certo na hora certa para a DC

O fogo é o tema principal das canções e apareceu como tema principal do álbum em decorrência das incendiárias apresentações ao vivo do grupo. “Nossos shows são muito catárticos, sempre entregamos tudo no palco e sentimos que estávamos caminhando para esse estilo explosivo, então decidimos buscar a inspiração no punk, não somente na sonoridade, mas na atitude”, diz o vocalista e guitarrista da banda, Mateo Ugarte.

Com todo bom punk, é no ao vivo em que o repertório de “Rasgacabeza” ganha sua plenitude. Músicas que funcionam extremamente bem no palco, como “Chão Teto Parede: Pegando Fogo”, perdem força no registro do álbum. Ainda assim, a estética inflamada alcança o objetivo: é impossível ouvir as oito faixas sem terminar batendo cabeça. “O ‘Soltasbruxa’ deu muito certo e tínhamos a opção de fazer um disco no mesmo modelo, mas seria ficar na mesmice, e a gente escolheu viver de música para poder se reinventar”, defende Mateo. A reinvenção da banda, através do fogo, se prova extremamente inteligente em várias faixas. “Travou: Tela Azul”, é um exemplo disso, ao propor uma canção animada ainda que trate da rotina urbana atribulada que faz “morrer com muitos sonhos na cabeça”.

“Rasgacabeza” é uma produção coletiva da banda não só nos títulos e composições, mas nas gravações: foram eles quem registraram por si próprios as faixas. “Foi uma experiência legal, nos deu muito mais autonomia”, conclui Mateo. Além da gravação, a banda preparou também videoclipes (mais de um) para cada música do CD e deve começar a lançá-los em breve. Que eles durem mais do que a chama.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo