Elekfantz enxerga ambiente cultural no Lollapalooza: "Tem um papel educador"

Por Alexandre Dias, em especial para o Metro Jornal

A música eletrônica é uma parte importante do Lollapalooza e na edição deste ano não é diferente. Um dos representantes mais fortes do gênero, que ao mesmo tempo mescla vários outros estilos, é o duo brasileiro Elekfantz.

O grupo formado por Daniel Kuhnen e Leo Piovezani mistura pop e techno e causou alvoroço no cenário internacional com o lançamento do single "Wish", em 2012.  Dois anos mais tarde, o álbum "Dark Tales & Love Songs" juntamente da parceria com o empresário Gui Boratto estabeleceu ainda mais os músicos no meio.

Leia mais:
Lollapalooza: Dicas REALISTAS para escolher seus looks; saiba o que está em alta e como adaptar
Lollapalooza: confira entrevistas com as bandas que tocam no festival

O duo conversou com o Metro Jornal sobre influências musicais, projetos e sobre a apresentação no festival Lollapalooza, que acontece nesta sexta-feira (5), no Autódromo de Interlagos. Confira:

Como foi a migração do blues para o techno?

LP: O blues foi apenas um começo para mim e para o Dani na música. Acredito que o fato de termos começado com rock/blues e jazz nos deu um senso de composição no formato de canções. O colorido melódico do nosso som vem desse momento de blues no início de nossas carreiras.

DK: E o Elekfantz sempre manteve esse formato até nas músicas instrumentais do lado mais techno do nosso primeiro disco "Dark Tales & love Songs". Pra mim o techno é arte da repetição sem ser repetitivo e de certa forma compartilha a seriedade e melancolia do blues. Essa fusão do nosso início foi muito frutífera.

Há uma mistura de pop com o eletrônico no som de vocês. Vocês creem que as pessoas têm mais facilidade de absorver as suas músicas por conta disso do que se fosse mais restrita a apenas um desses gêneros?

LP: Acho que o som do Elekfantz retrata aquilo que mais gostamos na música. Melodias, timbres e sonoridades profundas em músicas que podem ser cantadas por qualquer um. E o nosso show ao vivo apresenta as mesmas músicas do disco com arranjos bem diferentes, que envolvem desde os amantes de música eletrônica com texturas e batidas do techno, bem como aqueles que gostam de um bom pop, com vocais e performances com instrumentos ao vivo.

DK: Acredito que as pessoas se identificam com o Elekfantz pela identidade musical, mais do que qualquer comparação ou limitação de gêneros.

Quais são as suas opiniões sobre o mercado nacional de música eletrônica?

LP: Mercado nacional esta em amadurecimento, passando por um momento único jamais vivido antes pelo artistas. Ao mesmo tempo, tantos novos artistas surgindo com esse imediatismo dos dias de hoje , fazendo com percam um pouco da identidade e até mesmo sua verdade musical. Talvez isso seja parte do processo evolutivo da cena brasileira. Torço pra que todos façam aquilo que realmente acreditem. A diversidade musical fortalece a cultura de um país, conquista, educa e fideliza o público de um jeito muito mais profundo do que se imagina.

DK: Na música brasileira já criamos gêneros e estilos bem originais ao longo da história, que tiveram impacto em todo o mundo: bossa nova, samba e até o funk carioca. Na música eletrônica, apesar do crescimento enorme e da valorização dos artistas nacionais, ainda não chegamos lá. Com raras exceções ainda falta originalidade. Maioria do que se produz aqui são reciclagens, covers e cópias de músicas antigas adaptadas para as pistas do Brasil. Mas esse processo e busca de identidade faz parte, acredito que aos poucos os verdadeiros artistas nacionais vão juntar todas essas peças para criar música eletrônica brasileira original e com nível de exportação, como criamos a bossa nova a partir do jazz. Mas precisamos de mais Tom Jobins e Gui Botattos, mais compositores e menos licenciadores.

Vocês já tocaram em diversos locais, com diferentes públicos. O Lollapalooza é um festival que mistura vários gostos pelos estilos musicais presentes. Vocês se sentem "em casa" (no sentido musical) no evento ou veem a apresentação como mais como uma oportunidade de levar o seu projeto para novas pessoas?

LP: Verdade, já tocamos em muitos festivais pelo mundo mas o Lolla tem algo muito cool e único que envolve o publico de uma maneira tão forte que nos deixa a vontade para tocar o que quisermos, no formato que quisermos, sem a preocupação de saber se estamos agradando ou desagradando determinado público ou não.

DK: Acredito que o Lolla estimula as pessoas a conhecer novos artistas, a estarem abertas a novidades. Um festival como o Lolla tem um papel educador também. Nos sentimos em casa desde nossa primeira vez em 2014!

Quais são os seus próximos projetos?

LP: Nosso próximo disco sai esse ano. Será o segundo disco de estúdio da nossa carreira.

DK: Já lançamos dois singles dele e o terceiro sai dia 19 de abril, se chama “When We Were Young”. Tem muita coisa nova a caminho e uma turnê com nosso novo show começando em seguida. Quem assistir nosso show no Lollapalooza já vai ter uma prévia de tudo que está por vir!

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo