‘Coisa Mais Linda’ coloca ar feminista na bossa nova

Por Metro Jornal

O movimento musical da bossa nova até teve ícones femininos, como Nara Leão e Astrud Gilberto, mas os louros dessa história, em geral, são sempre relacionados aos homens. “Coisa Mais Linda”, que já está disponível na Netflix, propõe uma revisão do período com a história de quatro mulheres que, a partir da música, se reinventam no Rio do fim dos anos 1950.

Essa orientação aproxima a série da hispânica “As Telefonistas”, colocando suas protagonistas para descobrirem suas próprias fortalezas enquanto apoiam o crescimento umas das outras.

Coisa Mais Linda Reprodução / Netflix

Veja também:
‘This is Us’ chega à terceira temporada com novas reviravoltas
MasterChef Brasil: Como foram as batalhas da estreia e quem são os primeiros participantes

A protagonista é Maria Luiza (Maria Casadevall), jovem da aristocracia paulista que se muda para o Rio com o objetivo de montar um restaurante com o marido. O problema é que ele foge e a deixa sem um tostão. Sem perspectivas, ela ainda tem um filho para criar.

Desorientada, Malu esbarra em algumas figuras fundamentais para que ela decida toca a vida com suas próprias mãos na capital carioca, como Adélia (Pathy Dejesus), que trabalha no prédio de seu ex-marido; Lígia (Fernanda Vasconcellos), uma antiga amiga que abriu mão do sonho de cantar para casar; e Thereza (Mel Lisboa), cunhada de Lígia que morou em Paris e é o exemplo de uma mulher à frente de seu tempo.

Com a força delas, Malu monta um clube no qual a bossa nova impera. “A bossa nova estava em busca de uma identidade assim como esses personagens, que buscam suas identidades rompendo um pouco dessa estrutura social”, pontua Fernanda Vasconcellos.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo