Brasil fez bela figura com filmes fortes exibidos no Festival de Berlim

Por Estadão Conteúdo

Com 11 filmes distribuídos por diferentes seções da Berlinale, o Brasil fez bela figura, com filmes fortes, impactantes. De Marighella, de Wagner Moura, na competição, mas fora de concurso, a Espero Tua (Re)Volta, de Eliza Catai, que ganhou o prêmio da Anistia Internacional, a seleção contemplou temas, ou um tema, a violência do Estado brasileiro, dirigida preferencialmente contra jovens, negros, pobres.

Leia mais:
Festival de Berlim: Longa israelense ‘Synonymes’ fatura o Urso de Ouro
História de negro acusado injustamente de crime baliza ‘Se a Rua Beale Falasse’

São filmes que vão confrontar o Brasil com sua realidade social e política. E, quando não é a exclusão, é o sexo. A temática LGBT vem radical, num momento em que a homofobia é respaldada por manifestações oficiais. Greta, de Armando Praça, baseado na peça Greta Garbo, Quem Diria, Acabou no Irajá, que teve problemas com a censura do regime militar, é um drama de recorte tradicional sobre a solidão urbana. Deve valer a Marco Nanini todos os prêmios de interpretação do ano por sua criação como esse gay desesperado por afeto, que se envolve com um jovem marginal e isso coloca em xeque tudo o que sonhou para sua vida, com base nos romances estrelados pela divina Garbo.

O caso de A Rosa Azul de Novalis, de Gustavo Vinagre e Rodrigo Carneiro, é mais punk. Com base na busca pela ascendência do poeta alemão Novalis, um homem soropositivo busca um sentido para a sua vida. Se Deus está em toda parte, será provocação que ele o encontre no próprio ânus? A religião que ameaça se apropriar do Estado laico brasileiro é o tema de Gabriel Mascaro no distópico Divino Amor, que projeta no Brasil de 2027 a realidade atual das igrejas evangélicas cristãs.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo