Com 'thank u, next', Ariana Grande tenta recuperar-se das críticas negativas

Por Bruno Bucis - Metro Brasília
thank u next capa

Ariana Grande é uma das mais talentosas cantoras de sua geração – tanto que abusa das vocalizações à la Mariah Carey em suas canções, afinal ela é capaz disso. Apesar de boa intérprete, a cantora não costumava usar suas músicas para valorizar grandes mensagens. Isso mudou com “Sweetener”, disco que ela lançou em agosto do ano passado e que propagava mensagens como “God is a woman” (“Deus é uma mulher”, em tradução livre).

Leia mais:
‘A população amedrontada investe em arma’, diz Mateus Solano; ator dubla vilão em ‘Tito e os Pássaros’
Arqueólogos do Museu Nacional resgataram cerca de 2 mil itens dos escombros

O problema da mudança foi que ela não teve o êxito esperado: embora tenha conquistado a crítica e até um Grammy no último domingo, o álbum foi recusado pelos fãs, que esperavam uma continuidade do estilo meiga e abusada da cantora. Ariana, porém, não se deixou abalar e deu ao público o que eles queriam: “Thank u, next”, álbum de 12 faixas lançado cinco meses após o anterior. O que está nas entrelinhas do novo disco, porém, é uma abordagem, ainda que mais suave, dos mesmos temas do anterior.

O novo álbum é uma sessão de terapia para Ariana. As sonoridades monumentais do álbum anterior foram completamente abandonadas, há uma batida eletrônica simples em todas as faixas e a voz de Ariana é a única que se escuta no álbum.

Mais pé no chão em relação a sua base de fãs, a cantora faz canções que os agradem, mas que também se correspondam com a pessoa que ela é hoje – o estereótipo de adolescente cor-de-rosa já não combina com uma mulher de 25 anos.

Com isso, a cantora lança seu quinto álbum como o sonoramente mais simples desde “My Everything” (2014), mas sem se afastar de pautas que a interessam como o feminismo: evidentes tanto em canções como “Nasa” quanto na faixa-título, que deu a Ariana o seu primeiro topo de paradas da carreira. O segundo veio com o segundo single do álbum, “7 Rings”.

As melhores faixas do álbum, porém, são “Bloodline”, “Ghostin” e “Make Up” – que tratam com positivismo temas como tristes como a instabilidade de relacionamentos –, que tem tudo para serem os próximos singles – e êxitos – de Ariana.

Ouça "thank u, next":

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo