Festival de Berlim: Disputa envolvendo Netflix ofusca estreia de filme sobre lésbicas espanholas

Por Reuters

Uma disputa sobre se filmes produzidos para a plataforma de streaming Netflix deveriam ser exibidos no Festival de Cinema de Berlim ofuscou a estreia de “Elisa & Marcela”, produção de Isabel Coixet sobre duas lésbicas espanholas.

Leia mais:
Ao lado de Bradley Cooper, Clint Eastwood volta a atuar em ‘A Mula’
Minha Fama de Mau: Chay Suede é Erasmo Carlos em cinebiografia do cantor; leia entrevista

Operadores de cinemas independentes da Alemanha escreveram à ministra da Cultura alemã, Monika Gruetters, e ao diretor do festival, Dieter Kosslick, na segunda-feira, exigindo que o filme fosse retirado da competição.

“A Berlinale representa a telona, a Netflix a telinha. Nós queremos que continue sendo assim no futuro e não queremos que o maior festival do mundo em termos de público —com mais de 300 mil espectadores —se torne um festival televisivo”, disseram.

Mas, uma porta-voz do festival disse que o filme é elegível para a competição porque será exibido em cinemas na Espanha.

A Netflix tem abalado a indústria cinematográfica estimulando pessoas a assistirem filmes em casa, em vez de irem ao cinema. Grandes redes de cinemas se recusam a exibir produções da Netflix e alguns importantes diretores têm relutado em produzir filmes que serão vistos majoritariamente na TV.

O filme em preto e branco de Isabel Coixet é baseado na história real de Elisa Sánchez Loriga e Marcela Gracia Ibeas, que se apaixonam na escola e conseguem se casar em 1901, quando uma delas se disfarça de um homem chamado “Mario”, cortando o cabelo, desenhando um bigode e usando um terno.

O casamento entre pessoas do mesmo sexo foi legalizado na Espanha em 2005.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo