Artistas alfinetam Academia durante Grammy 2019; confira as principais polêmicas

Por Metro Jornal

Após anos de reivindicação e polêmicas por sexismo e racismo, a Recording Academy decidiu tomar uma atitude para aumentar a diversidade do Grammy, a premiação mais importante do mercado fonográfica mundial.

Leia mais:
Veja a lista COMPLETA com os vencedores das 84 categorias do Grammy 2019
BTS estreia no Grammy e afirma querer parceria com Lady Gaga e Camila Cabello

Para começar, colocou Alicia Keys para apresentar o prêmio. Desde 2005, quando Queen Latifah comandou a noite, o Grammy não era apresentado por uma mulher. Além disso, também deu mais atenção aos trabalhos delas na hora de anunciar as indicações. Em Álbum do Ano, a principal categoria, contou com cinco produções estreladas exclusivamente por mulheres – em uma lista com oito indicações.

Mesmo assim, a Academia não escapou das críticas. Alguns artistas aproveitaram o momento para alfinetar os líderes da indústria e expor suas opiniões.

Confira:

Dua Lipa

A Revelação do Ano gabaritou o Grammy – recebeu duas indicações e venceu em ambas. Só que mesmo sendo iniciante na premiação, Dua Lipa não se intimidou e mandou um recado aos 'grandões' da Academia.

"Acho que eu quero começar dizendo o quão honrada eu estou por ser indicada ao lado de tantas artistas femininas incríveis neste ano, porque… Eu acho que neste ano nós realmente nos esforçamos, né", declarou, no início de seu discurso.

A fala vem para lembrar a declaração do presidente da Academia, Neil Portnow, que disse no ano passado que a falta de prêmios para artistas mulheres era culpa delas mesmas.

Assista ao discurso na íntegra:

 

Childish Gambino

Um dos grandes vencedores da noite, o rapper não compareceu para levar seus troféus para casa. Ao lado de Kendrick Lamar, Donald Glover – a pessoa por trás do pseudônimo – se recusou a ir à festa. Isso porque a Academia vem sendo acusada de machismo e racismo há décadas.

"This is America", canção responsável pelos prêmios de Gambino, retrata a violência policial e o racismo nos Estados Unidos. Ninguém recebeu o gramofone pelas primeiras categorias vencidas, mas os produtores Derek Ali, Ludwig Goransson e Riley Mackin subiram ao palco após o anúncio da Gravação do Ano.

Confira o momento em que John Mayer e Alicia Keys chamam por Childish Gambino, sem retorno:

Ariana Grande

A nova queridinha do pop foi outra que não compareceu a cerimônia de premiação este ano, após uma polêmica com o produtor do evento Ken Ehrilich. Ele havia afirmado que a cantora não teria tempo hábil para organizar uma apresentação para o Grammy, por ter sido chamada em cima da hora. Contudo, ela não deixou barato.

"Posso preparar uma apresentação da noite para o dia e você sabe disso, Ken. Foi quando você sufocou minha criatividade e expressão pessoal que decidi não comparecer. Mantive minha boca fechada, mas agora ele está mentindo sobre mim", escreveu em sua conta oficial no Twitter.

Ainda assim, Ariana Grande venceu na categoria de Melhor Álbum Pop, por "Sweetener".

Assista ao momento em que o prêmio é anunciado:

Drake

Drake foi outro artista que também havia recusado o convite para a premiação. Contudo, o rapper apareceu de surpresa no palco, para recebeu seu gramofone por Melhor Canção de Rap. Ele agradeceu, mas lembrou que a indústria fonográfica é baseada em opiniões, não em fatos. "Se existem pessoas que gastam dinheiro para ir aos seus shows, você não precisa disso aqui", afirmou.

Confira o discurso:

Joy Villa

A cantora pop é defensora do governo de Donald Trump e fez questão de deixar isso bem claro. Para isso, usou um vestido de muro, com o pedido "construa o muro" nas costas, em alusão a promessa da construção de um muro na fronteira entre os Estados Unidos e o México.

A bolsa vermelha – cor do Partido Republicano – trazia a frase "Make America Great Again", slogan da campanha presidencial de Trump em 2016.

Veja a cantora no tapete vermelho:

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo