O Negro no Rio: exposição no Centro Cultural dos Correios reflete sobre origens da cidade

Por Metro Rio

Os africanos escravizados, que por mais de três séculos desembarcaram nos portos cariocas, deixaram marcas indeléveis na identidade cultural da cidade, em um processo antropológico que inspirou a exposição “O Negro no Rio”. A mostra, composta por 25 telas da artista plástica Georgia Lobo, estreia nesta quinta-feira (24) no Centro Cultural dos Correios, no Centro do Rio.

Leia mais:
Em versão de ‘Dogville’ no teatro, câmeras interagem com atores e evocam o cinema
A Favorita: embalado por trio feminino robusto, filme narra disputas da corte britânica

As obras retratam os principais pontos turísticos da capital fluminense ocupados por personagens negros, em uma inversão do cânone artístico que tem, como tradição, colocar corpos brancos no centro das narrativas.

“Para mim, não foi uma escolha racional. Esses personagens vinham sempre bonitos, alegres e autênticos, e aquilo foi transformando a minha própria visão estereotipada e contaminada pela sociedade”, explica a artista, que estreia sua primeira exposição individual.

‘Elefante preto’

Descendente de escravos, Georgia percorreu um longo caminho até inserir a negritude como elemento definitivo de seu processo criativo. “A minha família teve uma ascensão social no século 20. Então, esse não era um tema muito tratado. Era como um elefante branco – ou melhor, um elefante preto”, brinca.


Serviço
No Centro Cultural dos Correios (rua Visconde de Itaboraí, 20, Centro. Tel.: 2253-1580). Ter. a dom., das 12h às 19h. Grátis. Livre. Até 10/3.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo