A Favorita: embalado por trio feminino robusto, filme narra disputas da corte britânica

Por Amanda Queirós - Metro São Paulo
a favorita

A rainha britânica Ana (1665-1714) nunca foi uma monarca exatamente popular. Talvez seja por isso que o grego Yorgos Lanthimos (“O Lagosta”) se sentiu livre para colocá-la em evidência, sem qualquer reverência, em “A Favorita”, que estreia nesta quinta-feira (24) após receber dez indicações ao Oscar.

Leia mais:
'A Esposa' joga luz sobre Glenn Close; atriz pode vencer seu primeiro Oscar
Oscar 2019: mãe reclama de indicação de curta inspirado em assassinato do filho

O roteiro de Deborah Davis e Tony McNamara aposta no cômico e no absurdo para narrar os bastidores do fim do reinado de Ana (Olivia Colman), quando a Inglaterra se dividia radicalmente entre conservadores e liberais.

A dualidade no campo político se espelhava também no campo afetivo da rainha, com a crescente rivalidade entre sua dama de companhia, Sarah (Rachel Weisz), e a prima dela, a criada Abigail (Emma Stone).

A fragilidade de saúde de Ana leva a primeira a impor sua personalidade forte, ditando os rumos da nação. Essa relação é abalada quando Abigail se aproxima da rainha de forma mais afetuosa.

Na visão do filme – que não é atestada pelos historiadores – o que acontece aí é um triângulo amoroso lésbico. Lanthimos usa a disputa pelo afeto como metáfora para uma disputa de poder pessoal. No fundo, ambas buscam conforto e estabilidade.

Em uma época na qual líderes almejam a imagem de gestores de perfil técnico, o cineasta reafirma o caráter emocional intrínseco à política, reabilitando a humanidade por trás de decisões que afetam milhões de pessoas.

As atuações de Colman, Stone e Weisz são repletas de nuances. Elas nunca entregam todas as intenções e desejos das personagens, conferindo-lhes uma complexidade que, apresentada em dose tripla, faz o público desejar mais papéis femininos com essa mesma carga dramatúrgica. 

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo