Nando Reis se junta ao maestro Isaac Karabtchevsky em apresentação única

Por Alex Ferreira – Metro Belo Horizonte

Durante seus mais de 60 anos de carreira, o consagrado maestro Isaac Karabtchevsky se destacou por apostar na democratização da música clássica. Através de iniciativas como os “Concertos para a Juventude”, “Concertos Internacionais” e “Projeto Aquarius”, ele foi um dos responsáveis por criar uma ponte entre o universo erudito e o popular no Brasil. Agora, o condutor está à frente da turnê nacional “Petrobras Sinfônica + Nando Reis”, que une a orquestra junto ao cantor e compositor paulistano. No repertório, os músicos dão tratamento sinfônico à canções de Reis como “All Star” e “O Segundo Sol”, que ganharam novos arranjos de Rafael Smith, Alexandre Caldi e Jessé Sadoc.

O concerto faz parada única em São Paulo nesta sexta-feira (18), no Espaço das Américas (Rua Tagipuru, 795 – Barra Funda). Os ingressos custam entre R$ 40 e R$ 380.

O Metro Jornal conversou com o maestro sobre o projeto.

Isaac Karabtchevsky Isaac Karabtchevsky / Fábio Rossi/Divulgação

Como tem feito à frente do Projeto Aquarius por quatro décadas, o senhor volta a flertar com a música popular nesta turnê ao lado de Nando Reis. Há um elemento de subversão em aliar o pop e o erudito no palco?

Não, não há subversão e sim ampliação de propósitos. O princípio norteador do Projeto Aquarius era a comunhão da música com o povo – não havia barreiras, a diversidade era nosso lema. No mesmo projeto alinhavam-se Cazuza, Barão Vermelho, Rick Wakeman, Tom Jobim e tantos outros com Beethoven, Mozart ou Villa-Lobos. Era uma grande festa popular que acabou sedimentando uma geração que hoje frequenta as salas de concerto. A repercussão popular foi tão grande que nos habituávamos a um público que oscilava entre 100 mil a 300 mil pessoas. Dizíamos, brincando entre nós, quando tínhamos apenas 30 mil pessoas, que o concerto tinha sido um fracasso.

A Orquestra Petrobras Sinfônica tem projetos especiais que dão roupagem nova a outros estilos musicais – como é o caso do concerto que foi feito em cima do disco “Dark Side of the Moon”, do Pink Floyd, por exemplo. Esses crossovers ajudam o público a compreender e a se interessar pela música clássica?
Acredito que sim. Buscamos dessa forma, como já fazíamos com o Projeto Aquarius, atrair um público que não está familiarizado com o som de uma orquestra e que não costuma frequentar uma sala de concerto. Quando ela se depara com uma orquestra tocando Pink Floyd, por exemplo, ela percebe que não há qualquer tipo de barreira musical e pode passar a se interessar também pela música clássica.

Como foi a preparação para essa turnê com o Nando Reis, maestro?
Nós fizemos uma apresentação única em 2017, no Theatro Municipal do Rio, e a química deu tão certo que resolvemos repetir e levá-la para outras praças também. Para esses concertos com o Nando Reis, os novos arranjos foram criados por Rafael Smith, Alexandre Caldi e Jessé Sadoc. Nós mergulhamos de cabeça nos ensaios para ficar tudo muito bem afinado. Estamos ansiosos para ver a reação do público.

Como o senhor avalia o estado atual da música e da cultura no Brasil?
Estamos numa fase de transição, em meio a uma crise que atinge a maioria dos estados, longe da tão aguardada normalidade. As orquestras, os corais, os ballets e os teatros são organismos frágeis que dependem da fluência de recursos para sobreviver. Mas eu tenho esperança de que a arte possa nos ajudar a sobreviver em meio a isso tudo.

Nando Reis Isaac Karabtchevsky Maurício Meirelles/Divulgação
Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo