Roger Avanzi, o Palhaço Picolino, morre aos 96 anos

Por Metro Jornal

Roger Avanzi defendeu a poesia do riso até na hora de dizer adeus. Aos 96 anos, o artista eternizado por encarnar Picolino morreu na noite da última segunda-feira, justamente o Dia do Palhaço, devido a uma falência múltipla dos órgãos.

Ao longo de quase um século de vida, Avanzi se consolidou como um dos mais importantes pilares do circo brasileiro.

Leia mais:
MasterChef Profissionais: ‘a gente só pode avaliar a gastronomia, não a pessoa’, diz Paola sobre final
O que rolou na CCXP 2018

Seu Picolino, por exemplo, vem de berço: o primeiro a encarnar o palhaço foi o pai do artista, Nerino Avanzi, fundador do Circo Nerino.

Roger nasceu no dia 7 de novembro de 1922, e calhou de São José do Rio Preto ser a cidade na qual a tenda da da trupe estava armada para uma temporada.

Foi sob ela que o rapaz se tornou um artista completo, capaz de se dividir entre os ofícios de acrobata, equilibrista, jóquei, músico, cantor e ator.

A palhaçaria, no entanto, pegou o jovem de jeito. Picolino 1º e Picolino 2º atuaram lado a lado por décadas, até a morte do patriarca, em 1962. Dois anos depois, Roger desativaria o picadeiro em que se formou após 52 anos de atividades.

Seu talento migraria, entre 1966 e 1972, para o Circo Garcia. Ao completar cinco décadas de vida, no entanto, ele decidiu abrir mão da veia mambembe em prol de um teto fixo.

Passou então a residir em São Paulo, onde atuaria, entre 1978 e 1982, como professor da Academia Piolin, a primeira escola de circo do Brasil.

Mais tarde, exerceria a mesma atividade no projeto Enturmando e na Escola Picadeiro, espaço no qual se tornou mestre de Domingos Montagner e Fernando Sampaio, fundadores da Cia La Mínima – a devoção de Sampaio por Roger é apresentada no documentário “Pagliacci”, lançado em abril.

Avanzi voltaria a encarnar Picolino no programa infantil “Circo do Bambalalão”, da TV Cultura, e em eventos esporádicos.

Nos últimos anos, ele atuou como memorialista. Ao lado de Veronica Tamaoki, escreveu o livro “Circo Nerino” (2004) e, em 2009, fundou o Centro de Memória do Circo, localizado na Galeria Olido, onde foi velado na tarde de ontem.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo