Policiais apreendem obras roubadas no Rio e na Paraíba

Por Metro Rio com Agência Brasil

A DRFA (Delegacia de Roubos e Furtos de Automóveis), da Polícia Civil, recuperou nessa terça-feira (11) seis das 52 obras do artista português Isaque Pinheiro, roubadas de um caminhão na Via Dutra no final de novembro. As peças foram encontradas na comunidade Jardim América, na zona norte.

Leia mais:
Campeonato de poesia falada abre nesta quarta com documentário
Roger Avanzi, o Palhaço Picolino, morre aos 96 anos

Na segunda-feira, uma escultura da coleção já havia sido localizada em uma operação na comunidade Beira Rio, na Pavuna.

As peças foram furtadas de um caminhão que as levava do Paço Imperial, no Centro, onde integraram a  mostra “AcorDo Rei”, a uma galeria em Belo Horizonte, onde seriam expostas.

PF apreende livro raro

Em Campina Grande, na Paraíba, a PF (Polícia Federal) apreendeu um livro raro que havia sido roubado da biblioteca Pedro Calmon, na Urca, gerida pela UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro). Foram localizados dois volumes de “Cartas do P. Antonio Vieyra da Companhia De Jesus”.                     

De acordo com as investigações, a obra estava sendo vendida por meio de um leilão virtual, com lance inicial de R$ 3,5 mil. A operação, denominada Cartas, é uma referência ao título do livro furtado, que reúne correspondências do escritor e orador português Padre Antônio Vieira (1608-1697). O documento é da época do Brasil Colônia e reúne correspondências divididas em dois volumes e é a primeira edição da correspondência de Padre Antônio Vieira.                                                             

Em maio do ano passado, a PF abriu um inquérito para investigar o furto de mais de 420 obras do acervo dessa biblioteca da UFRJ, localizada na Praia Vermelha, no Rio. Do total, 303 livros são considerados raros. Ainda em maio, a universidade conseguiu recuperar 12 livros.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo