Livro de Heróis do País ganha 21 nomes

Por Bruno Bucis - Metro Brasília

A pernambucana Bárbara Pereira de Alencar (1760-1832) foi uma mulher à frente do seu tempo, queria a independência de Portugal e jogar o Brasil no futuro. Curiosamente, porém, sua inscrição no Livro de Heróis e Heroínas da Pátria foi a de processo mais lento. Nome aprovado ainda em 2014, só agora ela será de fato inscrita nas lâminas de aço que compõem o livro em exposição permanente no Panteão da Pátria (Praça dos Três Poderes).

Leia mais:
Policiais apreendem obras roubadas no Rio e na Paraíba
Roger Avanzi, o Palhaço Picolino, morre aos 96 anos

Além dela, outros 20 nomes se somarão ao chamado Livro de Aço. A inscrição será feita nesta quarta-feira (12), às 10h, em uma cerimônia no próprio Panteão.

novos nomes livro dos heróis

Livro dos heróis

Inaugurado em 1985, o Panteão da Pátria ganhou seu primeiro herói, Tiradentes, em 1989, mas a inclusão era ainda mais lenta àquela época. A partir de 2003, com a inscrição do Duque de Caxias (5º), o livro passou a ser atualizado com maior constância.

Atualmente com 10 páginas, feitas realmente de aço, a lista não recebia novas inscrições, entretanto, desde 2014, apresentando até ontem 30 nomes, o último deles de Joaquim Nabuco.

Para que o personagem faça parte do rol, é necessário que o Senado Federal e Câmara dos Deputados aprovem um projeto com pedido de inclusão e que essa lei seja aprovada nas casas.

É necessário também que tenham se passado 10 anos da morte. O nome mais novo na lista é do seringueiro Chico Mendes (6º), nascido em 1944. O nome mais velho era de Zumbi dos Palmares (2º), 1655, mas a inclusão de Clara Camarão (34º), que já era viva em 1623, lhe dá o posto.

Veja a lista completa dos novos nomes:

  • Visconde de São Leopoldo
    Grande defensor da criação de universidades no Brasil ainda nos tempos de colonialismo.
  • Martim Soares Moreno
    Navegador português que é tido como fundador do Ceará. Inspirou José de Alencar a escrever Iracema.
  • Euclides da Cunha
    Jornalista autor de “Os Sertões” divulgou ao mundo com seu texto o massacre da Guerra de Canudos.
  • Luiz Gama
    Importante líder abolicionista, foi um dos primeiros advogados negros do Brasil. Soltou legalmente 500 escravos.
  • Maria Quitéria de Jesus Medeiros
    Sob disfarce, Foi a primeira mulher a fazer parte do Exército Brasileiro, em 1823.
  • Sóror Joana Angélica de Jesus
    Religiosa baiana assassinada na defesa do Convento da Lapa, em Salvador, em 1822.
  • Maria Felipa
    Liderou um grupo de cerca de 200 mulheres negras e indígenas nas guerras de independência na Bahia em 1822.
  • Zuzu Angel
    Estilista que lutou na Ditadura Militar para reaver o corpo de seu filho desaparecido e foi perseguida por isso.
  • Miguel Arraes
    Figura central da esquerda brasileira, foi perseguido pela ditadura militar e lutou pela redemocratização.
  • Machado de Assis
    Autor de “Dom Casmurro” e “Memórias Póstrumas de Brás Cubas”, criou a Academia Brasileira de Letras.
  • João das Botas
    Herói da Independência do Brasil na Bahia, português de nascimento, combateu os colonizadores.
  • Rui Barbosa
    Político central do segundo império e da primeira República é pai do movimento abolicionista no Brasil.
  • Leonel Brizola
    Político gaúcho que organizou a resistência à deposição de João Goulart pela ditadura militar em 1964.
  • Marechal Rondon
    Militar e sertanista, foi líder de expedições desbravadoras no oeste  e fundador do Serviço de Proteção ao Índio.
  • Jovita Feitosa
    Assim como Maria Quitéria, se disfarçou de homem para integrar o exército. Foi proibida de lutar e se matou.
  • João Pedro Teixeira
    Sindicalista rural paraibano assassinado em 1962 e retratado no filme “Cabra marcado para morrer” (1984, foto).
  • Irmão Joaquim
    Religioso franciscano do século 18 que fundou casas de assistência e hospitais em São Paulo e no Rio de Janeiro.
  • Francisco do Nascimento
    Conhecido como Dragão do Mar, o cearense foi líder dos jangadeiros nas lutas abolicionistas.
  • Clara Camarão
    Indígena potiguara, foi líder de um pelotão feminino durante as invasões holandesas em Recife em 1623.
  • Bárbara Pereira de Alencar
    Primeira presa política do país, apoiou a independência e foi uma líder da Revolução Pernambucana.
  • Maestro Antônio Carlos Gomes
    Autor da ópera “O Guarani”, inspirada no livro de José de Alencar, foi notável compositor.

Alguns do nomes já presente:

  • Tiradentes
  • Zumbi dos Palmares
  • Marechal Deodoro
  • Dom Pedro I
  • Duque de Caxias
  • Chico Mendes
  • Santos Dumont
  • José de Bonifácio
  • Frei Caneca
  • Sepé Tiaraju
  • Anna Nery (1ª mulher inscrita)
  • Getúlio Vargas
  • Villa-Lobos
  • Anita Garibaldi
  • Caio Vianna Martins
  • Joaquim Nabuco
Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo