Inspirado em inimigo do Homem-Aranha, Venom surge meio vilão, meio herói

Por Amanda Queirós/Metro São Paulo

Se você acompanha o Homem-Aranha apenas a partir de suas versões cinematográficas, é capaz de se lembrar de Venom. Vindo do espaço, o simbionte esteve na trama do terceiro longa da saga, dirigido por Sam Raimi em 2007. Na ocasião, ele se alojava no herói e mudava seu comportamento até ocupar o corpo de Eddie Brock, um repórter que detestava o Aranha, tornando-se vilão do personagem.

Vivido por Topher Grace, Eddie é vivido agora por Tom Hardy em “Venom”, um estranho filme solo do alienígena, que estreia nesta quinta-feira (4).

Leia mais:
O Mundo Sombrio de Sabrina: Netflix lança trailer macabro e pôster oficial; confira
Os Paralamas do Sucesso são convidados de surpresa para o Rock in Rio 2019

Não espere encontrar o herói aracnídeo por aqui. O longa dirigido por Ruben Fleischer (“Zumbilândia”) é inteiramente dedicado a repaginar a origem da criatura. Eddie é um repórter investigativo que tem a vida arruinada quando decide contrariar ordens do chefe e tenta encontrar podres da Fundação Vida, gerenciada por Carlton Drake (Riz Ahmed).

A iniciativa o faz perder o emprego e a noiva, Annie (Michelle Williams), que atuava como advogada da empresa.

Tempos depois, ele retoma a reportagem e descobre o real desejo de Drake: associar seres extraterrestres a humanos para possibilitar a continuidade da espécie fora da Terra.
Venom é justamente um desses monstrengos, que encontra em Eddie um hospedeiro ideal. Quando isso acontece, a trama assume uma linha parecida com a de “O Médico e o Monstro”, com o repórter conversando com a voz em sua cabeça e alternando sua forma física com a do bicho sempre que surge uma potencial cena de ação.

A forma como Venom se desenrola do corpo de Eddie nesses momentos gera algumas das passagens mais criativas do filme, mas não salva a falta de foco em torno do protagonista da trama.

Ninguém tem mais paciência para mocinhos sem falhas ou malvados que são a encarnação do capeta, mas é um problema ver um vilão ser forçosamente transformado em herói em vez de um anti-herói legítimo – e esse estranhamento aumenta com o tom de comédia escolhido para narrar a história.

Como todos os filmes recentes do gênero, há cenas pós-créditos, e o público pode esperar uma sequência com outro supervilão do universo Marvel.

Veja o trailer do longa:

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo