Casquinha da Portela morre aos 95; sambista era parceiro musical de Paulinho da Viola

Por Metro Rio

O corpo do compositor Casquinha, baluarte da velha guarda da Portela, será sepultado nesta quinta-feira (4), às 10h30, no Cemitério de Irajá, no Rio.

O velório, que começou na última quarta-feira (3), segue aberto ao público até as 9h, na quadra da Portelinha, em Oswaldo Cruz.

Leia mais:
Aos 60 anos, Nicole Puzzi é homenageada com exibição de clássicos da pornochanchada
Fuga de prisão de Papillon ganha remake com Charlie Hunnam e Rami Malek

Casquinha morreu na última terça-feira (2), aos 95 anos, vítima de infecção generalizada. Ele estava internado no Hospital São Matheus, em Bangu, no Rio, desde o dia 22 de setembro, por insuficiência renal.

Nascido Otto Enrique Trepte, o carioca ganhou notoriedade em 1959, ao participar da composição do samba “Brasil, Pantheon de Glórias”, com o qual a Azul e Branco foi campeã. Casquinha escreveu músicas para artistas como Zeca Pagodinho, Beth Carvalho e João Nogueira.

Ele também foi primeiro parceiro musical de Paulinho da Viola na Portela, em 1964.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo