Estudo mostra que trolls russos fizeram maioria dos ataques a Star Wars: Os Últimos Jedi

Por Metro Jornal

Uma pesquisa divulgada nesta semana sobre o filme “Star Wars: Os Últimos Jedi”, que foi lançado há quase um ano, indica que a maior parte das críticas negativas recebidas pela produção foi feita por robôs, em especial trolls russos, e também por internautas com interesses políticos.

Pouco após a estreia no cinema, o oitavo título da saga de ficção científica virou alvo de comentários de ódio, racistas, machistas e homofóbicos em diversos fóruns de discussão e também nas redes sociais, ao contrário da crítica especializada e de muitos fãs, que elogiaram o filme.

Leia mais:
Filmes tchecos e eslovacos ganham sessões gratuitas no CCBB; saiba mais
Resistência do bloco Ilê Aiyê é celebrada com mostra gratuita no Itaú Cultural

Denominado “Weaponizing the haters: The Last Jedi and the strategic politicization of pop culture through social media manipulation” ("Armando os haters: Os Últimos Jedi e a estratégia política da cultura pop através da manipulação das mídias sociais", em tradução livre), o estudo publicado pelo pesquisador Morten Bay diz que há “evidências de influência política deliberadas e organizadas que foram disfarçadas de argumentos de fãs”.

Segundo o pesquisador, 50,9% das contas que tuitavam negativamente contra o filme tinha motivações políticas ou nem mesmo eram humanos – sendo uma boa parte robôs russos. Ele também indicou que a chamada era Trump ajudou a influenciar esse tipo de comportamento por conta do "discurso político divisivo".

O diretor do longa, Rian Johnson, que já foi vítima de mensagens ofensivas online, divulgou a pesquisa e disse que tem tudo a ver com o que ele experimentou nas redes sociais.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo