MasterChef: quais são os pontos fortes e fracos dos finalistas, segundo os chefs

Por Metro Jornal

A quinta temporada temporada do "MasterChef Brasil" chega ao seu episódio final nesta terça-feira (31), às 22h30, na Band, com disputa entre Hugo e Maria Antonia.

Os dois participantes tiveram trajetórias diferentes dentro do programa, mas também se assemelharam de certa forma. O cozinheiro chegou a ser eliminado após um erro e voltou na repescagem e a cozinheira, apesar de ter crescido, era bem desacreditada desde o início da atração.

Leia mais:
MasterChef Brasil: Hugo ou Maria Antonia, quem você quer que vença?
MasterChef: Acho que as últimas provas mostraram que sou super capaz, afirma Hugo
MasterChef: o sonho de ser cozinheira virou realidade, diz Maria Antonia

De acordo com o chef jurado Erick Jacquin, os dois são bons cozinheiros, mas também chegaram à final por serem bons jogadores. "Não são os grandes competidores, os melhores que chegam ao fim porque eles se arriscam muito. Acham que vão ganhar e acabam perdendo. O Hugo e a Maria Antonia foram bons jogadores, bons competidores, são gente boa e a torcida foi boa com eles", afirmou.

Já Henrique Fogaça apontou os pontos positivos que viu nos dois finalistas e ressaltou a importância da concentração. "O Hugo é um menino jovem que durante a competição amadureceu muito em relação à postura dele na cozinha e a forma de cozinhar, conseguindo pensar nos ingredientes, harmonizar os pratos. Acho que o ponto forte é o amadurecimento que ele teve durante a competição", disse. "Já a Maria Antonia arrisca bastante, é meio pilhada. O ponto positivo é poder arriscar com os ingredientes, com a ousadia nos pratos. Saber equilibrar o emocional durante a prova é muito importante, isso cabe para os dois. Saber se concentrar".

A chef Paola Carosella também deu sua opinião sobre os competidores que vão brigar pelo título de MasterChef. "A Maria Antonia não rende bem sobre pressão. Não cozinha bem sobre pressão. Mas, quando está segura cozinha muito, muito, muito bem. E o Hugo, logo no começo, tinha como ponto fraco a insegurança, mas agora pode ser o excesso de segurança. Mas ele é mais criativo, pensa mais fora da caixa", declarou

 

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo