Os segredos de 'O Diabo e o Padre Amorth': Documentário com exorcismo real acabou de estrear na Netflix

Por Victória Bravo

Existem filmes que se tornam lendas e por mais que o tempo passe, eles conseguem marcar um antes e um depois no cinema. Esse é o caso do clássico do terror “O Exorcista”, cuja estreia foi 1973.

Assim como muito de nós, o diretor do longa William Friedkin também não conseguiu deixar o “assunto” de lado e decidiu explorar mais o tema, mas dessa vez retratando fatos reais.

Friedkin produzidiu um documentário chamado "O Diabo e o Padre Amorth", que segue os passos do padre italiano Gabriele Amorth, um especialista em exorcismos.

Usando como argumento central um caso de 1996, onde uma mulher afirma ser possuída pelo diabo, a produção revela a vida da arquiteta Cristina, que chegou a passar por nove exorcismos.

O longa estreou hoje (23 de julho) na Netflix e está disponível para os assinantes brasileiros.

Desta vez, o diretor não viu uma garota virar a cabeça em 360 graus, mas em entrevista à NPR contou que teve a chance de gravar uma sessão inteira de exorcismo.

“Eu estava com medo, com muito medo. Foi a metros de distância. E foi assustador. Mas pouco a pouco meu medo se tornou empatia por ela. Ela estava em uma dor aparentemente não natural e total”, revelou o diretor.

A produção é baseada em diversas entrevistas com padres, psicólogos, neurocirurgiões e ateus para mostrar todas as posições.

A gravação do exorcismo real foi avaliada por um grupo de especialistas, neurocirurgiões e psiquiatras, mas ninguém conseguiu explicar o que eles viram.

“Eles são caras que fizeram mais de 5.000 cirurgias cerebrais cada. Então eu levei para eles, e todos me disseram: nós não sabemos o que é isso”, revelou.

Depois de ver de perto o verdadeiro exorcismo, Friedkin assegurou que se soubesse não teria feito da mesma maneira “O Exorcista”, e até lamentava algumas das cenas mais clássicas do filme.

GIF Reprodução / Giphy

“Eu não teria incluído esses efeitos especiais: vire a cabeça, levite, sacuda a cama. Isso é parte da mitologia exorcista que fez William Peter Blatty (roteirista 'The Exorcist' e do romance de 1971)”, confessou.

Infelizmente, o protagonista do documentário não pode ver a produção. O padre Amorth morreu meses após a sessão devido a uma doença pulmonar, aos 91 anos de idade.

Em vida, o religioso realizou cerca de 70.000 exorcismos e fundou a Associação Internacional dos Exorcistas – reconhecida pelo Vaticano.

O padre italiano acreditava que as forças demoníacas estavam sempre entre nós e que pessoas como Hitler e Stalin eram afetados por entidades do mal, assim como os religiosos.

No livro "O Último Exorcista", Padre Amorth escreveu que "Satanás ataca o Papa acima de tudo, seu ódio pelo sucessor de Pedro é feroz, eu o experimentei em meus exorcismos".

"Depois do Papa, Satanás ataca cardeais, bispos e todos os sacerdotes e religiosos, é normal que este seja o caso,  padres, religiosos e religiosas são chamados a uma dura luta espiritual".

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo