Dwayne Johnson se aventura nas alturas em Arranha-Céu – Coragem sem Limite

Por Metro Jornal

Deve ser divertido ser Dwayne Johnson. Após cair em Hollywood por mero acaso, para fazer uma ponta em “O Retorno da Múmia” (2001), o ex-lutador consolidou uma carreira de ator em que coloca seu corpão quase exclusivamente a serviço de filmes de ação descerebrados, tornando-se uma espécie de Arnold Schwarzenegger do século 21. Johnson foi o segundo ator mais bem pago no levantamento mais recente da revista “Forbes”, relativo ao período entre junho de 2016 e de 2017, ficando atrás apenas de Mark Wahlberg ao somar US$ 65 milhões em cachês.

Segundo o “The Wall Street Journal”, são ao menos US$ 20 milhões por filme. Nada mal. O mais recente resultado desse caldeirão financeiro é “Arranha-Céu – Coragem sem Limite”, que estreia hoje.

Dirigido por Rawson Marshall Thurber, o longa aposta menos no fiapo de história em torno do qual se constrói e mais no carisma de seu protagonista em resolver problemas no melhor estilo MacGyver. Dessa vez, Johnson encarna Will Sawyer, um ex-policial de elite afastado do posto após perder uma perna durante uma operação. Ele constrói uma nova carreira como consultor de segurança e presta serviço para o bilionário Zhao Long Ji (Chin Han), que acaba de construir o prédio mais alto do mundo em Hong Kong.

O ricaço, no entanto, tem um inimigo que está disposto a colocar o edifício no chão para conseguir de volta informações que nada importam para a trama. O que importa é ver Johnson fazendo de tudo para salvar sua família, que está presa no prédio em chamas – o que envolve escalar mais de 100 andares em poucos minutos, segurar os restos de uma ponte quebrada com as próprias mãos e lembrar que caminha com auxílio de prótese apenas quando ela pode ser útil de alguma forma, como colocá-la como barreira para evitar que uma porta se feche.

Com essa fórmula – caprichando na tensão e com certa dose de autodeboche – Dwayne Johnson garante cinemas lotados e segue com bolsos ainda mais cheios.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo