Mostra de cinema na av. Paulista celebra meio século do ano de 1968

Por Metro Jornal com Estadão Conteúdo

A mostra "50 anos de 1968" começou nesta quarta-feira (30), em comemoração ao clima febril do chamado "ano que não terminou". Exibida no tradicional cinema do Conjunto Nacional, o evento marca uma nova fase do Cinearte; agora o espaço recebe patrocínio da Petrobras e a incorpora a seu nome.

Leia mais:
Parada do Orgulho LGBT acontecerá no domingo
Clipe de ‘It’s So Easy’ do Guns N’ Roses tem cenas inéditas dos anos 1980

Os longas em exibição expressam "o espírito de 68", como Acossado (1960), de Jean-Luc Godard, A Primeira Noite de um Homem (1968), de Mike Nichols, e o recente No Intenso Agora (2017), de João Moreira Salles. As exibições acontecem sempre às 19h, com ingresso gratuito. A programação da segunda semana da mostra será divulgada na próxima segunda-feira.

Com Acossado, Jean-Luc Godard meio que inaugura a estética cinematográfica dos sixties. Contrapondo-se ao cinema pesadão e literário dominante na França, os garotos da nouvelle vague (Godard era o mais ousado) propõe uma linguagem muito livre para narrar um amor bandido entre Jean-Paul Belmondo e Jean Seberg. Câmera na mão, cortes bruscos, montagem assimétrica – para dizer que uma época de maior instabilidade havia chegado.  E de maior liberdade também, como expressa o romance entre o rapaz (Dustin Hoffman) e uma senhora de mais idade, Mrs. Robinson (Anne Bancroft) em A Primeira Noite de um Homem, de Mike Nichols.

Completa a primeira parte da mostra o belo No Intenso Agora. Uma narrativa que incorpora material doméstico (sobre a viagem da mãe do diretor à China) a imagens de arquivo sobre o maio de 68 francês, a repressão à Primavera de Praga e o ano de 1968 no Brasil, transe que culmina com o AI-5 e o acirramento da ditadura.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo