Desastre ambiental em Mariana ainda afeta economia da cidade mineira

Por Estadão Conteúdo
Desdobramentos da maior tragédia ambiental da história do Brasil estão longe de ter um fim - Agif/Folhapress
Desastre ambiental em Mariana ainda afeta economia da cidade mineira

Desde o rompimento da barragem, o município de Mariana viu o desemprego, que nunca havia ultrapassado os 6%, atingir 23,5% da população. A arrecadação, por sua vez, caiu de R$ 27 milhões por mês para R$ 17,5 milhões.

O motivo: a inatividade da mineradora Samarco. As contas da prefeitura simplesmente não fecham.

Leia mais:
Tragédia em Mariana: personagens sem passado
Dois anos depois da maior tragédia ambiental do Brasil, clima em Mariana é de incerteza

"Desde o rompimento, vivemos uma tragédia continuada", diz o prefeito Duarte Eustáquio Gonçalves Junior (PPS), de 37 anos. O promotor de Justiça do Ministério Público de Minas, Guilherme de Sá Meneghin, de 34 anos, faz coro: "Há uma perpetuação diária da violação dos direitos das vítimas, sobretudo na forma como a empresa as trata".

Para o prefeito, a empresa falhou e os responsáveis devem responder por isso. "Não havia sirenes, ninguém foi avisado. Se fosse noite, teria exterminado a população." Mas ele destaca que a Samarco não abrigava só os responsáveis pela tragédia, mas também funcionários técnicos, da limpeza, motoristas – e eles também estão sem trabalho.

"Vivemos entre a cruz e a espada: os responsáveis precisam ser punidos, mas, sem o retorno da mineração, há uma segunda tragédia", diz Gonçalves.

Loading...
Revisa el siguiente artículo