Novamente no comando do BC, Tombini promete recuo da inflação para meta de 4,5%

Por Tercio Braga
Tombini segue como presidente do Banco Central | Wilson Dias/Agência Brasil Tombini segue como presidente do Banco Central | Wilson Dias/Agência Brasil

Presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini, foi confirmado nesta quinta-feira (27) no cargo pela presidente Dilma Rousseff. Após a o anúncio que ele continua à frente da instituição, ele defendeu em entrevista coletiva as medidas que têm sido adotadas até o momento para controle da inflação.

Lembrando mecanismos adotados pelo BC para supervisionar a possibilidade de choques do sistema financeiro internacional ao mercado interno, manutenção de elevados padrões de estabilidade financeira e programas de ajustes cambiais para proteger agentes econômicos, Tombini reiterou que trabalhará para que as taxas de inflação se aproximem de 4,5%, que é o centro da meta.

“Em relação ao conjunto das políticas macroeconômicas e dentro do fortalecimento da política fiscal, por meio de processo consistente e crível de consolidação das receitas e despesas rigorosamente conduzido, [esse processo] deverá, ao longo do tempo, facilitar a convergência da inflação para a meta de 4,5% ao ano”, declarou.

Leia também
• Ministério do Planejamento, Barbosa fala em controle rigoroso dos gastos
• Meta de superávit primário em 2015 será 1,2%, diz Joaquim Levy

Tombini participou da coletiva ao lado dos novos ministros indicados pela presidenta Dilma Rousseff para a área econômica. Joaquim Levy assumirá o Ministério da Fazenda e Nelson Barbosa o do Planejamento. O presidente do BC explicou o quadro da atual política monetária, justificando a adoção de medidas para elevar a taxa de juros.

“O patamar elevado da inflação acumulada em 12 meses reflete, em parte, a ocorrência de dois importantes processos de reajustes de preços relativos da economia: o realinhamento dos preços domésticos, em relação aos internacionais, e o realinhamento dos administrados, em relação aos livres”, salientou.

Para o presidente do BC, a política monetária brasileira tem de continuar vigilante, de modo a conter efeitos de segunda ordem sobre preços administrados e evitar que esses ajustes se espalhem para o restante da economia.

Segundo ele, as respostas adotadas pela autoridade monetária deverão garantir um cenário de convergência da inflação para o centro da meta, visualizando um horizonte positivo para 2015 e 2016.

“Atuando de forma independente, mas complementar, as políticas fiscal e monetária têm ambiente de estabilidade e solidez do sistema financeiro. Elas serão cruciais para retomada da confiança de empresários e consumidores na economia brasileira”, concluiu.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo