Juiz pretende juntar processos contra Eike Batista do Rio e de São Paulo

Por Tercio Braga
A promotoria alega que o prejuízo causado por Eike Batista aos acionistas foi de R$ 1,5 bilhão | Ricardo Moraes/Reuters A promotoria alega que o prejuízo causado por Eike Batista aos acionistas foi de R$ 1,5 bilhão | Ricardo Moraes/Reuters

O empresário Eike Batista começou a ser julgado nesta terça-feira, pela 3ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro pelos crimes de uso indevido de informação privilegiada da petroleira OGX (inside trading) e manipulação de mercado. No entanto, o juiz Flávio Roberto de Souza afirmou que pretende juntar os processos que o fundador do Grupo EBX responde em São Paulo, onde é acusado por formação de quadrilha, indução do investidor ao erro, falsidade ideológica e também por crime de informação privilegiada.

Segundo o magistrado, somando todos esses delitos, a pena mínima chegaria a seis anos, o que carateriza regime fechado. Se for considerado culpado, o empresário pode pegar até 13 anos de prisão. “É um momento histórico para a Justiça. É a primeira vez que um réu de renome internacional senta no banco dos réus”, afirmou o juiz.

A promotoria alega que o prejuízo causado aos acionistas foi de R$ 1,5 bilhão. Nesta terça, três testemunhas de acusação foram ouvidas. Outras audiências devem ser realizadas em 10 e 17 de dezembro. Nessa última data, Eike deve ser ouvido e a sentença pode sair já no início do ano que vem. Se condenado, ele será a primeira pessoa no país a ir para a prisão ou pagar multas por crimes contra o mercado de capitais. No entanto, ainda poderá recorrer a instâncias superiores.

Audiência

No banco dos réus, Eike se mostrou tranquilo. Conversou o tempo todo com seus dois advogados e sorria bastante, além de trocar mensagens em redes sociais. A audiência de instrução e julgamento começou às 14h25 e terminou por volta das 17h.

A primeira testemunha de acusação a depor foi o especialista da CVM (Comissão de Valores Mobiliários), Fernando Soares Vieira. Em seguida depôs o economista José Aurélio Valporto, que informou ter investido em ações da empresa de Eike, mas que depois o anúncio de descoberta de cerca de 1 bilhão e meio de barris de petróleo se mostrou falsa. O último a depor foi engenheiro e ex-funcionário da OGX Mauro Coutinho Fernandes. 

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo