Bancários de São Paulo decidem pelo fim da greve

Por lyafichmann
Bancários ficaram parados por 23 dias | Marcello Casal Jr/ABr Paralisação, iniciada no dia 30 de setembro, foi cancelada após categoria aceitar a proposta de reajuste salarial de 8,5% | Marcello Casal Jr/ABr

Os bancários de São Paulo decidiram nesta segunda-feira acabar com a greve iniciada no último dia 30. A decisão, tomada em assembleia, vale para capital, Osasco e 15 municípios da região. A categoria aceitou a proposta dos bancos de reajuste nos salários de 8,5% (aumento real de 2,02%) e de 9% nos pisos (aumento real de 2,5%).

Segundo o Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, no acumulado dos últimos 11 anos, os bancários obtiveram 20,7% de ganho real nos salários e 42,1% nos pisos. “Fizemos uma greve forte durante sete dias, que mobilizou os trabalhadores e fez com que os bancos mudassem sua posição. Conquistamos reajuste de 8,5% e piso de 9%”, disse a presidenta do sindicato Juvandia Moreira.

Segundo os bancários, ficou acordado que a Participação nos Lucros e Resultados (PLR) passará a ser o resultado de 90% do salário somado ao valor fixo de R$ 1.838, que em 2013 era R$ 1.640. A regra determina que devem ser distribuídos, no mínimo, 5% do lucro líquido da instituição. O vale refeição passará a ser R$ 26 por dia (reajuste de 12% em relação a 2013).

Bancários de Brasília, RJ e BH encerram greve

Os bancários de alguns dos maiores sindicatos do país decidiram encerrar a greve iniciada no dia 30 de setembro. Assembleias feitas nesta segunda-feira (6) em São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Belo Horizonte votaram pelo fim da paralisação após aceitarem a nova proposta da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), feita na última sexta-feira (3).

A proposta prevê reajuste de 8,5%, sendo 2,02% de aumento real (acima da inflação) e  vale-refeição em 12,2%. Após o recebimento dessa proposta, o Comando Nacional dos Bancários divulgou orientação à categoria para que encerrasse a greve.

A proposta da Fenaban também tratava das pressões sobre os bancários na cobrança das metas, consideradas excessivas pela categoria. De acordo com a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf), os bancos devem incluir na Convenção Coletiva o compromisso de que “o monitoramento de resultados ocorra com equilíbrio, respeito e de forma positiva para prevenir conflitos nas relações de trabalho”. Além disso, a cobrança de metas por SMS ou qualquer outro tipo de aparelho ou plataforma digital será proibida.

Nas cidades de Porto Alegre e de Curitiba, sindicatos também representativos, além dos estados da Paraíba e Roraima, a greve continua apenas para os funcionários do Banco do Brasil. Em Florianópolis e nos estados da Bahia, do Piauí, do Amapá e de Roraima a paralisação continua na Caixa.  De acordo com a Contraf, existem pontos específicos, como plano de cargos e salários e plano de saúde, que ainda carecem de acordo.

Com a proposta da federação aceita, os trabalhadores devem compensar os dias parados em virtude   da greve. A compensação será feita na forma de uma hora por dia no período de 15 de outubro a 31 de outubro, para quem trabalha seis horas, e uma hora por dia no período entre 15 de outubro e 7 de novembro, para quem trabalha oito horas.


Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo