Governo mantém exigência de ABS e air bag já para 2014

Por BAND
A Kombi será um dos carros que deixarão de ser produzidos em 2014 | Divulgação A Kombi será um dos carros que deixarão de ser produzidos em 2014 | Divulgação

Os air bags e os freios ABS serão obrigatórios nos automóveis produzidos no país a partir do próximo ano, disse nesta terça-feira o ministro da Fazenda, Guido Mantega. Na semana passada, o governo tinha anunciado que a exigência seria adiada.

Depois de reunião com representantes da Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores), metalúrgicos e o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel. O encontro demorou cerca de duas horas e levou em conta o impacto dos novos itens de segurança sobre o desemprego.

De acordo com o ministro, o governo estudará a criação de uma exceção para os veículos do tipo Kombi, que não tem similar no mercado e será extinta com a introdução dos novos itens. “Não houve resistência das montadoras em criar um waiver [perdão] para as Kombis porque o produto não tem concorrência. [A Kombi] não é caminhonete, não é automóvel. Não é veículo. É um produto diferente, sem similar”, explicou.

Segundo Mantega, a Fiat pediu que os veículos do modelo Mille também fossem isentos da exigência, mas não houve concordância das outras empresas porque o modelo tem similares produzidos por outras montadoras no país. Com a introdução dos air bags e do freio ABS, o veículo terá a fabricação extinta no próximo ano.

O ministro ressaltou que a obrigatoriedade dos itens de segurança preocupou o governo não tanto por causa do impacto nos preços dos veículos, que aumentarão de R$ 1 mil a R$ 1,5 mil, mas por causa do impacto no emprego. De acordo com os sindicalistas presentes na reunião, os itens de segurança poderão provocar de 10 mil a 15 mil demissões por causa da extinção das linhas de produção de determinados modelos e o impacto sobre o setor de autopeças.

De acordo com o ministro da Fazenda, o governo pediu um compromisso das montadoras para mudarem os empregados de setor e evitar o máximo possível as demissões. Um grupo de estudo entre representantes das montadoras e do governo analisará a possibilidade de os postos de trabalho serem preservados.

[poll id=”152″]

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo