PIB: Professor da FGV não vê melhora a longo prazo

Por talita

O resultado de crescimento, no segundo trimestre, de 1,5% do PIB (Produto Interno Bruto) “foi bom, mas, no geral, é ruim”, acredita o professor de economia da FGV (Fundação Getúlio Vargas) Samy Dana.

Veja Também: PIB cresce 1,5% no segundo trimestre de 2013

Ele faz uma análise a partir da expectativa inicial que o resultado final de 2013 fosse de 3,5%. “Com esses números [0,6% no primeiro trimestre e 1,5% no seguinte], acredito em um resultado de 2,5%, o que é ruim para um ano de véspera de Copa do Mundo no país”.

Apesar da melhora no resultado na comparação dos trimestres, Dana diz que ainda é cedo para otimismo. Ele observa que parte do crescimento é devido ao aumento no valor do dólar, o que colaborou com um crescimento nos ganhos do setor de exportação.

Por isso, para o terceiro trimestre, Dana acredita que resultado do PIB pode vir um pouco menor. “É um processo que vem desde janeiro”, lembra o professor. O início do ano da economia do Brasil começou com o número do PIB em 2012: “0,9%, o pior entre os países emergentes”, recorda o professor da FGV.

Para Dana, agora, o governo terá dois problemas se quiser melhorar os resultados do PIB. Um deles é conter a inflação, “gastando menos”. E o outro, na área de infraestrutura, ter planos de médio e longo prazo.

“Não acho que isso vá acontecer porque estamos em um ano pré-eleitoral”, lembra, dizendo que será difícil haver cortes, os quais poderiam afetar alianças políticas. A questão estrutural seria ainda mais difícil, pois o resultado só viria tempos depois, em “questão de 2, 3, 4 governos”. Enquanto isso, o governo tentará segurar a inflação, outro fator importante em vésperas de eleição, na visão de Dana, pois diminui o poder de compra da população.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo