Associação Brasileira de Bebidas aprova discussão sobre cerveja

Por Tercio Braga
Cerveja poderá ter a adição de matérias-primas como leite e mel à bebida | Oli Scarff/Getty Images Cerveja poderá ter a adição de matérias-primas como leite e mel à bebida | Oli Scarff/Getty Images

A Abrabe (Associação Brasileira de Bebidas) manifestou-se nessa quarta-feira avaliando como positivas as discussões com o governo sobre a nova fórmula da cerveja, que permitirá a adição de matérias-primas como leite e mel à bebida. Segundo nota divulgada pela entidade, a proposta de nova regulamentação apresentada nessa terça-feira pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento ao setor privado promove a modernização da legislação sobre o produto.

Em comunicado à imprensa, a Abrabe destaca que “a maioria dos pontos [discutidos com o governo] foi convergente e favorece a inovação no setor”. Segundo a associação, a mudança na regulamentação favorece o desenvolvimento de produtos locais e a competitividade. A entidade ressalta, no entanto, a falta de consenso sobre parte dos temas discutidos.

O texto para instrução normativa sugerido pelo governo não é definitivo e ainda será objeto de consulta pública, que deve ocorrer até o fim deste ano. Esta será a última etapa das discussões da fórmula da cerveja no Brasil. Depois, o assunto será debatido no Mercosul, pois a bebida é um dos produtos que devem ter padrão de identidade e qualidade harmonizado entre os países do bloco. A expectativa é que as mudanças só entrem em vigor no Brasil a partir de 2015.

Uma das questões que seguem em aberto no debate é o percentual de cevada maltada na fórmula da cerveja. Segundo o Ministério da Agricultura, parte do setor privado quer a redução da quantidade obrigatória de 55% para 50%, o que permitira a adição maior de cereais como arroz e milho e diminuiria o custo da matéria-prima. O governo é contrário à proposta, que pode ser retomada durante a consulta pública.

Houve consenso entre governo e cervejeiros quanto à adição de matérias-primas de origem animal, como leite e mel (hoje são permitidos apenas sucos vegetais), a possibilidade de envelhecimento da cerveja e a substituição do lúpulo por ervas aromáticas em algumas variedades da bebida. Como o lúpulo confere amargor ao produto, a alteração pode criar sabores mais suaves.

A Abrabe representa grandes, médias e microcervejarias. A CervBrasil (Associação Brasileira da Indústria da Cerveja), que ontem havia pedido tempo para emitir seu posicionamento sobre a proposta do governo, informou hoje que não se manifestará antes da consulta pública.

Loading...
Revisa el siguiente artículo