Venda de imóveis novos cresce 46% em São Paulo

Por Carolina Santos

Em um momento de crescimento econômico mais fraco, as vendas de imóveis novos residenciais na cidade de São Paulo surpreenderam positivamente no primeiro semestre do ano. Segundo o Secovi-SP (sindicato da habitação), houve um salto de 46% no número de unidades vendidas sobre igual período do ano passado. Com isso, a entidade elevou sua expectativa de crescimento das vendas, de 5% para 30% em 2013.

O forte crescimento no primeiro semestre é atribuído a uma combinação entre demanda contínua de novos imóveis residenciais e financiamento abundante. Além disso, diz o sindicato, houve uma alta de 22% na aprovação das plantas em relação ao mesmo período de 2012.

Entre janeiro e junho, foram vendidos 17.500 novos imóveis residenciais na cidade de São Paulo. Os lançamentos subiram 51% sobre a primeira metade de 2012, para 13.983 unidades.

O destaque foi o segmento de 1 dormitório, cujas vendas dispararam 330% na comparação anual. Segundo o sindicato, o salto sinaliza a estratégia das incorporadoras de se adaptarem ao novo cenário macroeconômico, oferecendo apartamentos menores e, consequentemente, com ticket de compra mais baixo.

Para o Secovi-SP, o resultado das vendas do primeiro semestre poderia ter sido ainda melhor, não fosse esta alta de preços. O valor médio do metro quadrado da área útil subiu 12% em 12 meses, sendo que a variação real foi de 6%.

A entidade espera, no entanto, estabilidade na comparação com os valores cobrados em 2012. “Vemos os mesmos patamares do ano passado em 2013, com menos imóveis sendo lançados na região do centro expandido, que tem o metro quadrado mais caro”, disse Celso Petrucci, economista-chefe do Secovi-SP.  

Loading...
Revisa el siguiente artículo