Queniana lamenta que filme de amor lésbico exibido em Cannes seja proibido em seu país

Por Reuters

“Rafiki”, um romance entre garotas estreando no Festival Internacional de Cinema de Cannes, é um filme que espectadores ocidentais considerarão “inusitado”, de acordo com um crítico. Mas ele não será exibido no Quênia, onde foi proibido.

Isso é uma faca de dois gumes para a diretora Wanuri Kahiu, que disse que o filme não será visto pelo público para o qual ela o fez, mas que sabe que a publicidade deve levar mais pessoas a assisti-lo em outras partes do mundo.

“Há um ditado que diz que, quando você proíbe algo, torna-o mais popular, mas acho que a verdade é que estamos decepcionados”, disse Wanuri à Reuters.

“Fizemos este filme para uma plateia queniana, fizemos este filme com quenianos nele. Então as pessoas que fizeram o filme e a plateia para a qual ele foi feito não poderão vê-lo, e isso é trágico, porque ninguém mais entenderá a linguagem e as nuances e a vizinhança da mesma forma que uma plateia queniana”.

“Rafiki”, que trata de duas jovens que moram no mesmo conjunto habitacional de Nairóbi, é o primeiro título queniano na seleção oficial de Cannes, e inicialmente foi aprovado pelas autoridades do país do leste africano, mas no mês passado o Conselho de Classificação Cinematográfica do Quênia o proibiu por supostamente promover a homossexualidade.

Gwilym Mumford, do jornal Guardian, o classificou como “um drama doce, embora bastante calculado” com alguns diálogos desajeitados, mas aplaudiu a química entre as duas protagonistas, acrescentando que “o que lhe falta em originalidade, ele compensa em seu retrato da empolgação estonteante do primeiro amor”.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo