Desfiles de Carnaval marcantes, mas que foram derrotados, são homenageados em livro

Por Metro Jornal
Desfiles de Carnaval marcantes, mas que foram derrotados, são homenageados em livro
por que perdeu

Em 2004, um desfile se tornou quase unanimidade do público durante a apresentação das escolas de samba no Carnaval do Rio de Janeiro.

O carro em que a Unidos da Tijuca usou 127 pessoas para representar o DNA humano, a partir de uma complexa coreografia, foi o elemento mais comentado da folia daquele ano. O título de campeão, no entanto, ficou com Beija-Flor.

Leia mais:
Aos 80 anos, Martinho da Vila festeja Unidos da Vila Isabel em novo álbum
Carnaval 2018: Vai para os bloquinhos? Saiba quais micos evitar

Essa e outras nove histórias são relatadas agora no livro “Por que Perdeu?”, no qual o jornalista Marcello de Mello relembra desfiles que, apesar de emblemáticos para o Carnaval carioca, não foram reconhecidos pelo júri como os melhores do ano.

Jurado do prêmio Estandarte de Ouro, Mello entrevistou personagens e fez pesquisas para contar histórias de enredos como “Domingo”, defendido pela União da Ilha, em 1977, bem como o histórico desfile em que a Beija-Flor apresentou um Cristo Redentor coberto de preto, em 1989, até chegar ao título que não aconteceu para a Unidos da Tijuca.

No fim de cada capítulo, o autor faz ainda um exercício de imaginação em torno do que a vitória das referidas escolas teria influenciado no desenvolvimento dos carnavais seguintes.

Desfiles abordados no livro:
• 1977 – União da Ilha
• 1979 – Portela
• 1983 – Império Serrano
• 1983 – Mocidade
• 1986 – Beija-Flor
• 1989 – Beija-Flor
• 1995 – Portela
• 1999 – Mocidade
• 2001 – Beija-Flor
• 2004 – Unidos da Tijuca

Loading...
Revisa el siguiente artículo