MinC investirá R$ 80 milhões em 11 editais de cinema que terão cotas raciais, regionais e de gênero

Por Metro Jornal

O MinC (Ministério da Cultura) anunciou nesta última quarta-feira (7) um pacotão de 11 editais, no valor total de R$ 80 milhões, para o fomento ao audiovisual brasileiro. Todos os editais devem ser publicados no Diário Oficial da União até 26 de fevereiro. Financiados com recursos do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA), os concursos vão custear aproximadamente 250 projetos.

Do total destinado, R$ 53,6 milhões são direcionados para 106 projetos de produção, incluindo longas, curtas, jogos eletrônicos e narrativas transmídia; R$ 16 milhões vão ser aplicados em 85 projetos de mostras, festivais e eventos do mercado audiovisual; e R$ 10,4 milhões têm como objetivo o financiamento de 57 projetos de desenvolvimento.

Leia mais:
Indicado ao Oscar, filme libanês O Insulto provoca reflexão sobre rixa entre cristãos e palestinos
Cinquenta Tons de Liberdade: trilogia chega ao fim com casamento de Anastasia e Christian Grey

Essa última linha contará com uma novidade: R$ 6 milhões serão destinados exclusivamente a projetos que têm como tema os 200 anos da Independência do Brasil – a ser celebrada em 2022. Outros R$ R$ 4,4 milhões financiarão o desenvolvimento de projetos com apelo infantil. Apesar da ingerência dos temas, o MinC assegura que vai garantir a liberdade na abordagem proposta pelos artistas.

Pela primeira vez, haverá cotas de gênero e raça para os selecionados. Visando uma maior descentralização dos montantes pelo país, todos os editais também terão cotas regionais: ao menos 30% para Norte, Nordeste e Centro-Oeste; e ao menos 20% para Sul, Minas Gerais e Espírito Santo.

As medidas são uma resposta a um relatório divulgado em janeiro pela Agência Nacional de Cinema (Ancine). Segundo ele, o número de filmes feitos exclusivamente por diretoras caiu de 20%, em 2016, para 16% em 2017 – ano em que lançamentos de produções nacionais bateram recorde. Além disso, 75,4% dos longas foram dirigidos por homens brancos, apenas 2,1% foram dirigidos por homens negros e nenhum foi conduzido ou roteirizado por mulheres negras.

Para completar, produções do eixo Rio-São Paulo ainda respondem por 75,9% de todos os longas feitos no país.

O pacote anunciado ontem não é o único voltado para o cinema brasileiro. Em março, serão lançados os editais da Ancine (Agência Nacional do Cinema).

Contando com os recursos do MinC, ao todo será disponibilizado ao menos R$ 1 bilhão em projetos para o setor audiovisual em 2018.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo