Indicado ao Oscar, filme libanês O Insulto provoca reflexão sobre rixa entre cristãos e palestinos

Por Amanda Queirós/Metro Jornal

Lá para as tantas de “O Insulto”, que estreia nesta quinta-feira (8), vemos um Líbano dividido – cristãos e palestinos se engalfinham e são separados pelo exército por causa do que se passa dentro de um tribunal. O grau de comoção provocado pelo que está sendo julgado é tanto que chega a ser patético pensar que tudo começou devido a uma calha.

Ela está irregular, e o mecânico cristão Tony Hanna (Adel Karam) se recusa a deixar o palestino Yasser Salameh (Kamel El Basha) consertá-la, mas Yasser o faz mesmo assim. O gesto é tomado por Tony como um insulto, e ele passa a exigir desculpas formais do palestino, que não consegue fazê-lo.

Leia mais:
Cinquenta Tons de Liberdade: trilogia chega ao fim com casamento de Anastasia e Christian Grey
Inspirado em história real, O Que Te Faz Mais Forte acompanha vítima de atentado nos EUA

A querela vai então aos tribunais, reabrindo feridas de ambos os lados. Elas têm a ver não apenas com as vidas de cada um, mas com o sofrimento de seus povos, acirrando os ânimos do país.

Dirigido pelo libanês Ziad Doueri, o longa pode ser encarado como um alento de tolerância em tempos de gritaria e agressividade excessiva.

“Eu não sou neutro no filme, eu assumo um lado. A diferença é que eu troco de lado a cada 15 minutos. Escolhi isso, pois acredito que os dois personagens têm seus pontos de vista”, afirma Doueri.

Para reafirmar a importância da empatia, ele trocou de papéis com a corroteirista Joelle Touma. Cristã, ela escreveu os trechos relativos a Yasser, enquanto Doueri, de origem muçulmana, imaginou as postura de Tony.

“Essa foi uma decisão orgânica. Escrevemos o lado daqueles de quem tínhamos ódio enquanto crescíamos. Esse foi o melhor processo para entender o outro.”

O resultado deu certo: “O Insulto” foi indicado ao Oscar de melhor filme estrangeiro, superando uma campanha de boicote puxada por grupos libaneses contra o fato de o filme ter tido cenas rodadas em Israel.

“Não fui eu quem puxou essa batalha, então tive que ser forte. Faço filmes, quero contar histórias. Ter sido escolhido para representar o Líbano, e receber a indicação, me deu uma sensação incrível”, conclui o diretor.

Veja o trailer do filme:

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo