Filipe Catto faz shows de lançamento de seu terceiro disco neste fim de semana em SP

Por Bruno Bucis/Metro Brasília
filipe catto

Fã de rock alternativo e da cantora Lorde, Filipe Catto, 30, faz em seu terceiro disco, “Catto”, um trabalho tão excelente quanto o que a artista neozelandesa fez em “Melodrama” (2017).

O talento vocal de Filipe, que já foi comparado inúmeras vezes ao de Ney Matogrosso, não é novidade. No novo disco, ele impressiona sem se esforçar, cantando com naturalidade e enfeitiçando o ouvinte em canções como “Lua Deserta”, principal single de divulgação.

Leia mais:
Nathalia Timberg interpreta Chopin em peça de teatro que estreia nesta sexta em SP
Inspirada em livro de Richard K. Morgan, série Altered Carbon usa ação e ficção científica

O que marca o disco é o talento dele para construir os arranjos das canções, algo já experimentado no flerte entre rock e eletrônico que ele trazia em “Tomada” (2015).

Em “Catto”, o cantor segue sua curadoria musical com ainda mais maestria. Primeiro ao recuperar “Canção de Engate”, música associada a cantores LGBTQ portugueses. Outra regravação é “É Sempre o Mesmo Lugar”, de César Lacerda e Rômulo Fróes, que alcança aqui o seu máximo.

As faixas inéditas também são acertos. “Faz Parar” é feita para corações recém-partidos, enquanto “Torrente” é para os que estão se recuperando.

Já em “Só por Ti”, Zélia Duncan se dedica aos graves, e ele, aos agudos. O resultado é tão bom que eles deveriam formar uma dupla, numa combinação emocionante.

Confira entrevista com o artista:

O que significa lançar esse disco ao completar 30 anos?
A música passou a ser um instrumento de absoluto prazer para mim. Nela encontro minha satisfação e minha verdade. O disco celebra esse hedonismo. Tenho orgulho de ter uma carreira consolidada aos 30 anos.

Como você escolhe entre faixas autorais e regravações?
Minha cabeça é de intérprete. Adoro escrever, mas escolho músicas que estão na minha boca. Eu não poderia não cantar “Canção de Engate”. Ela tem tanta verdade quanto outras que eu escrevi.

Como você dosa a voz para conferir força às canções?
Eu me preocupo para que ela faça parte do arranjo de forma harmônica com a história que está sendo contada, sem estar à frente ou atrás.

Como será o show?
Ele terá um clima sensorial e cinematográfico. Quero viver intensamente esse momento de profundo prazer.

Serviço:
No Sesc Vila Mariana (r. Pelotas, 141, tel.: 5080-3000). Sábado (3) e domingo (4), às 21h, dom., às 18h. R$ 40.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo