Acusado de assédio e homofobia, diretor compromete produção de Mulher-Maravilha 2

Por Band.com.br
Reprodução
Acusado de assédio e homofobia, diretor compromete produção de Mulher-Maravilha 2

Após ser acusado de assédio e homofobia, o diretor Brett Ratner está comprometendo a participação de Gal Gadot na continuação do filme "Mulher-Maravilha".

De acordo com o site "PageSix", a atriz se recusa a continuar no papel principal enquanto a empresa de Ratner, a RatPac-Dune Entertainment, arrecadar dinheiro com o longa. O acordo financeiro com a Warner Bros. para a produção do primeiro filme rendeu à corporação mais de 400 milhões de dólares em todo o mundo.

Leia mais:
Goleira Hope Solo acusa Blatter de assédio sexual
Louis C.K. confirma acusações de assédio sexual

O diretor foi acusado por Ellen Page por ter atitudes homofóbicas e abusivas antes do início das gravações do filme "X-Men" em 2006. Brett também foi acusado de assédio por Olivia Munn, que também participou do filme, e disse que ele teria se masturbado na frente de outras atrizes.

Uma fonte afirma que Gal Gadot está está tomando uma posição forte sobre o assédio sexual em Hollywood e não quer que seu filme beneficie um homem acusado de má conduta sexual.

"Brett fez muito dinheiro com Mulher-Maravilha e agora Gadot disse que não vai assinar para participar das próximas sequências a não ser que a Warner Bros compre a parte de Brett e se livre dele", afirmou a fonte que preferiu não se identificar. "Ela é forte e acredita em seus princípios. Ela sabe que a melhor maneira de derrotar alguém como Brett Ratner é pelo bolso. Ela também sabe que a Warner Bros. deve ficar ao lado dela. Eles não podem fazer um filme sobre empoderamento feminino sendo co-financiados por um homem acusado de assédio contra mulheres".

Loading...
Revisa el siguiente artículo