Após The Handmaid’s Tale, Margaret Atwood discute patriarcado em Alias Grace

Por Rachael Vaughan Clemmons / Metro Internacional
Sarah Gadon encarna protagonista da produção da Netflix - Divulgação
Após The Handmaid’s Tale, Margaret Atwood discute patriarcado em Alias Grace

A mais nova empreitada da atriz, diretora, roteirista e ativista política Sarah Polley é “Alias Grace”, minissérie baseada em um romance homônimo de Margaret Atwood e já disponível na Netflix. 

“Alias Grace” poderia ser mais do mesmo, especialmente por surgir pouco depois de “The Handmaid’s Tale”, vencedora do Emmy de melhor série dramática em 2017 e também baseada em uma obra da escritora canadense. Essa produção, no entanto, acompanha mulheres em um futuro distópico incerto, enquanto a nova série se inspira em um fato real.

“Grace” apresenta uma abordagem ficcional para Grace Marks, doméstica condenada pelo assassinato de seu patrão e de sua governanta no Canadá dos anos 1840.

A minissérie se concentra menos na investigação do fato de ela ter ou não cometido o crime e mais em quem Grace foi realmente.

“Ela era uma linda garota de 16 anos. Os homens se apaixonavam por ela e a julgavam inocente, enquanto muita gente decidiu que ela deveria ser culpada. A verdadeira jornada está no mistério de quem ela realmente foi, porque ela nunca pôde falar por si própria”, diz a diretora.

A série segue uma tendência de dar voz à luta contra estruturas patriarcais. “Vivemos um tempo muito precário não só para as mulheres, mas para qualquer um que tem sido marginalizado. Tem sido assustador”, diz Sarah.

Loading...
Revisa el siguiente artículo