Game ‘Call of Duty’ se baseia em história das tropas aliadas na 2ª Guerra Mundial

Por Andressa Lima
Divulgação
Game ‘Call of Duty’ se baseia em história das tropas aliadas na 2ª Guerra Mundial
Call of Duty Divulgação

Após uma longa jornada de títulos voltados a batalhas futurísticas, a franquia “Call of Duty” decidiu retomar o ambiente que lhe conferiu a fama inicial: a Segunda Guerra Mundial.

É nela que é ambientando seu mais recente título, lançado na última sexta-feira (3). “Call of Duty: WWII” conta a história de Red, um jovem recruta na 1ª Divisão de Infantaria dos EUA que vivencia o combate pela primeira vez no Dia D.

Leia mais:
Game Assassin’s Creed aposta em ar de mistério do Egito
Veja os motivos de Jon Snow ser tão querido pelos fãs de Game of Thrones

Após sobreviver nas praias da Normandia, ele segue com seu pelotão pela Europa, rumo à Alemanha, vivenciando episódios verídicos, como a Batalha de Bulge, e enfrentando missões, como a escolta de tanques e a recuperação de obras de arte roubadas.

A camaradagem entre os combatentes é o centro do jogo. Eles precisam uns dos outros para avançar, e a forma como o protagonista lida com eles será determinante para o sucesso da empreitada.

O diferencial do novo título para os três primeiros da franquia, também ambientados na Segunda Guerra, está na agilidade. Este é um game com muita ação e explosões, mas também com silêncio.

O jogador precisa estar atento para ouvir desde os passos do inimigo ao puxar do pino de uma granada. A promessa é de um jogo de tiro frenético e rápido, na qual é preciso saber estabelecer estratégias.

Os produtores da Sledgehammer se preocuparam em retratar os cenários e as batalhas com a maior verossimilhança possível em respeito aos sacrifícios dos soldados aliados, mas, curiosamente, símbolos nazistas aparecem apenas no modo História.

Nos modos Zumbi e Multiplayer – que pode ser cooperativo ou competitivo, com costumização de personagens –, suásticas deram lugar a uma espécie de cruz. “Este é um símbolo sombrio, com emoções que acreditamos não combinar com nossa experiência multiplayer”, justificou Michael Condrey, cofundador da Sledgehammer, à revista “Eurogamer”

Loading...
Revisa el siguiente artículo